domingo, 8 de março de 2015

CAMINHADA

Caminhada 

Às vezes nos sentimos meio perdidos, 

Sozinhos e sentimos a necessidade de buscar novos caminhos para nossas vidas...

Nessa caminhada, encontramos muitas pedras 

Que lapidadas transformam-se em 

Uma joia preciosa: a experiência!

Encontraremos pessoas mais novas... 

E com elas reaprenderemos a inocência perdida...

Encontraremos pessoas mais idosas... 

E com elas aprenderemos a ser maduros...

Aprenderemos que o fogo que queima 

Também esquenta as noites de frio...

Em algum momento nossa caminhada 

Será interrompida e aprenderemos que foi apenas 

Uma pausa para o descanso da alma...

Às vezes achamos que perdemos algumas pessoas, 

Mais depois percebemos que elas é que nos perderam.

Sentiremos medo e solidão, 

Mas encontraremos sempre a mão amiga 

Daquele que foi crucificado por nós...

E se achamos que a caminhada é longa demais,

Temos a garantia do abraço sempre aconchegante daqueles que também dariam a vida por nós: 

nossos pais.

Ao final desta grande caminhada que se chama VIDA, Perceberemos que o que realmente importa 

São aquelas coisas que podemos carregar 

Dentro de nossos corações.

Portanto, guarde somente os bons sentimentos.

Assim chegaremos com o coração leve 

E a mala cheia de boas lembranças...

Autor: Jacy Lima 




ESPERANÇA E FÉ

A PAZ PERFEITA 

Havia um rei que ofereceu um grande prêmio ao artista que fosse capaz de captar numa pintura a paz perfeita. Foram muitos os artistas que tentaram. O rei observou e admirou todas as pinturas, mas houve apenas duas de que ele realmente gostou e teve que escolher entre ambas.

A primeira era um lago muito tranqüilo. Este lago era um espelho perfeito onde se refletiam umas plácidas montanhas que o rodeavam. Sobre elas encontrava-se um céu muito azul com tênue nuvens brancas.Todos os que olharam para esta pintura pensaram que ela refletia a paz perfeita.

A segunda pintura também tinha montanhas. Mas estas eram escabrosas e estavam despidas de vegetação. Sobre elas havia um céu tempestuoso do qual se precipitava um forte aguaceiro com faíscas e trovões. Montanha abaixo parecia retumbar uma espumosa torrente de água.Tudo isto se revelava nada pacífico. Mas, quando o rei observou mais atentamente, reparar que atrás da cascata havia um arbusto crescendo de uma fenda na rocha. Neste arbusto encontrava-se um ninho. Ali, no meio do ruído da violenta camada de água, estava um passarinho placidamente sentado no seu ninho. Paz perfeita.Qual pensas que foi a pintura ganhadora? O rei escolheu a segunda. Sabes por quê?

“Porque" explicou o rei: "paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas, sem trabalho árduo ou sem dor." "Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso, permanecemos calmos no nosso coração." "Este é o verdadeiro significado da paz"

Autor: Desconhecido



O Tapetinho Vermelho 

Uma pobre mulher morava em uma humilde casinha com sua neta que estava muito doente. Como não tinha dinheiro sequer para levá-la ao médico, e vendo que apesar de seus muitos cuidados, e remédios com ervas, a pobre criança piorava a cada dia, resolveu iniciar a caminhada de duas horas até a cidade próxima, em busca de ajuda. Chegando no único hospital público da região, foi aconselhada a voltar para casa e trazendo a neta junto, para que esta fosse examinada. 

Quando ia voltando, já desesperada por saber que sua neta não conseguiria sequer levantar da cama, a senhora passou em frente a uma igreja, e como tinha muita fé em Deus, apesar de nunca ter entrado em uma igreja, resolveu pedir ajuda. Ao entrar, encontrou algumas senhoras ajoelhadas no chão, fazendo orações. As senhoras receberam a visitante, e após inteirarem-se da sua história, a convidara para se ajoelhar e orar pela criança. 

Após quase uma hora de fervorosas orações e pedidos de interseção junto ao Pai, as senhoras já iam se levantando quando a mulher lhes disse: "Eu também gostaria de fazer uma oração!" .Vendo que se tratava de uma mulher de pouca cultura, as senhoras retrucaram: "Não é necessário, com nossas orações com certeza a sua neta irá melhorar". 

Ainda assim a senhora insistiu em orar e começou: "Deus, sou eu. Escute, a minha neta está muito doente, meu Deus. Sendo assim, eu gostaria que você fosse lá curar essa menina. Você pegue uma caneta que eu vou lhe explicar aonde fica." 

As senhoras estranharam, mas continuaram ouvindo. 

"Bom, você vai seguindo o caminho daqui de volta para Belo Horizonte, quando passar o rio com a ponte, você entra na segunda estradinha de barro. Não vai errar ta?" 

A esta altura as senhoras já estavam se esforçando para não rir, mas ela continuou. 

"Seguindo mais uns vinte minutinhos tem uma vendinha. Entra na rua depois da mangueira, que meu barraquinha é o último da rua. Pode ir entrando, que não tem cachorro, ta bom Deus? Mas por favor, cure a minha netinha. 

As senhoras começaram a se indignar com a situação... 

"Olha Deus..." - ela continuou - "A porta ta trancada, mas a chave fica em baixo do tapetinho vermelho na entrada. O Senhor pega a chave, entra e cura a minha netinha. Mas, por favor, não se esqueça de colocar a chave de novo em baixo do tapetinho vermelho, se não eu não consigo entrar quando eu chegar a casa Senhor." 

A esta altura, as senhoras interromperam aquela ultrajante situação, dizendo que não era assim que se deveria orar, mas que ela poderia ir para a casa sossegada, pois elas eram pessoas de muita fé, e Deus com certeza ouviria as preces, e iria curar a menina. 

A mulher foi para a casa, um pouco desconsolada. Mas ao entrar em casa, qual não foi a sua surpresa? A sua neta veio correndo lhe receber. "Minha neta, como é possível? Você está de pé?" 

E a menina explicou: "Eu ouvi um barulho na porta e pensei que era a senhora que estava voltando para a casa. Porém, entrou um homem muito alto, com um vestido branco. Ele entrou em meu quarto e mandou que eu levantasse. Não sei como, mas eu simplesmente levantei." - E quase em prantos a menina continuou: "Depois ele sorriu, beijou minha testa e disse que tinha de ir embora, mas pediu que eu avisasse a senhora que ele ia deixar a chave conforme o combinado, em baixo do Tapetinho Vermelho". 

Autor: Desconhecido 

MENSAGENS DE VIDAS PASSADAS

CURA ESPIRITUAL ATRAVÉS DA TERAPIA DE VIDAS PASSADAS

O Carma é uma Lei psicológica que atua primariamente no campo psicológico, sendo que as circunstâncias físicas são apenas o meio pelo qual a finalidade psicológica é alcançada. Um cidadão que no passado derramou sangue de muita gente com suas arbitrariedades, renasce com uma anemia irreversível. Como se vê, a finalidade do sofrimento não é punitiva, mas corretiva. O individuo que prejudicou o semelhante de maneira grave precisa sentir “na própria pele” a dor que o outro experimentou a fim de reeducar-se; e, quando novamente posto em situação em que tenha a oportunidade de reincidir, ele seja capaz de resistir aos seus impulsos. É a Lei, a ordem natural das coisas”. (Hermínio C. Miranda)

Ao trabalhar com a TVP (Terapia de Vida Passada) desde 1985, tratando de inúmeros pacientes com distúrbios psíquicos, psicossomáticos, orgânicos (cuja causa não foi encontrada pela medicina oficial) e de relacionamento interpessoal (aqueles relacionamentos difíceis, dolorosos e truncados entre marido e mulher, pais e filhos, entre irmãos, etc.), constatei que a causa desses problemas pode advir de três fatores:

a) Interno (Intrapsíquico): Experiências traumáticas, mal resolvidas da vida atual (infância, nascimento, útero materno) ou muito mais precoce, em outras vidas;

b) Externo (Exteropsíquíco): Interferência espiritual (Obsessores) que costumam dificultar e impedir que o paciente regrida em seu passado e saiba a origem de seu problema, pois sabem que se o mesmo regredir, irá obter a sua cura;

c) Misto: Pode haver a combinação desses dois fatores na origem dos problemas. Em muitos casos, quando se elimina a interferência negativa dos espíritos obsessores na vida do paciente, através da ajuda das presenças espirituais amigas nas sessões de regressão, o mesmo rapidamente resolve os seus problemas. Apesar dos malefícios causados pela presença desses espíritos negativos na vida desses pacientes, é comum o total desconhecimento por parte desses pacientes da influência desses seres extrafísicos em suas vidas.

É impressionante a melhora significativa de suas vidas, quando esse fator externo (espiritual) é eliminado. Por outro lado, há casos em que mesmo eliminando essa interferência externa, a melhora desses pacientes não se dá de forma imediata, mas de forma gradativa, pois acabaram criando uma relação simbiótica parasitária com o seu obsessor, que vêm de várias encarnações passadas.

Osvaldo Shimoda 


VIDAS PASSADAS VIVÊNCIA REGRESSIVA

Muitos pacientes me perguntam o porquê de não conseguirem ver nada durante o processo regressivo. No final da sessão de regressão se sentem frustrados porque não conseguiram ver nenhuma cena de suas vidas passadas. A PNL (Programação Neurolinguística) explica o porquê disso.
Ela diz que o ser humano busca se comunicar entre si através de três canais:
a) visual, b) auditivo e c) sinestésico (sensações). 

Embora a maioria dos pacientes traga suas experiências de vidas passadas ativando sua memória visual, muitos as trazem de outras formas, isto é, usam suas memórias auditivas e sinestésicas (sensações) para recordar suas vivências passadas. 

Portanto, não conseguem ver nada durante a sessão de regressão porque sua memória visual é pouco desenvolvida. Daí explica o porquê de não conseguirem ver nada. Neste aspecto, nem todas as pessoas trazem lembranças de suas vidas passadas do mesmo modo. Cada pessoa vai vivenciar a experiência de regressão de uma ou de várias formas possíveis que passarei a explicar melhor: 

Vivência Visual: as experiências de vidas passadas são geralmente visuais. As experiências podem vir de forma nítida, vívida ou embaçada inicialmente e, no decorrer das sessões se tornam mais nítidas. Podem ainda vir de forma congelada (parada, como nas imagens do DVD quando a gente aperta o botão pause), de forma fotográfica, pictórica (quadro ou gravura) ou em movimento como quando a gente assiste aos filmes no cinema e na TV. Podem vir ainda em forma de flashses que, em muitos casos, persistem após o término da sessão de regressão; 

Vivência auditiva: certa ocasião uma paciente subitamente me interrompeu no inicio de seu processo de relaxamento me perguntando se eu tinha ouvido uma revoada de pássaros dentro do meu consultório (a sala estava silenciosa e era noite). Expliquei-lhe que não havia nenhum pássaro na sala e que na verdade ela tinha ativado a memória auditiva de seu passado, daí estar “escutando” as revoadas dos pássaros. Portanto, na vivência auditiva, o paciente escuta sons e barulhos de experiências de seu passado (sons da natureza). Muitos chegam a ouvir alguém chamá-los pelo seu nome na existência passada; 

Vivência Sinestésica (sensações órgano-sensoriais): O paciente revivência experiências de suas vidas passadas sentindo sensações físicas como calor, frio, paralisia no corpo, dores, odores, paladar e sentimentos (a pessoa pode chorar, gritar, contrair-se, revoltar-se, sentir raiva, medo, angústia, etc.). Em muitos casos, as dores são tão intensas e reais que é preciso fazer o retorno ao estado de vigília com mais cuidado para que as sensações não perdurem após a sessão de regressão; 

Vivência intuitiva: as lembranças chegam intuitivamente (o paciente tem a “impressão de”…), passando a ficar mais claras no decorrer da regressão. Na maioria dos casos, o paciente não vê nada de forma nítida, mas intui. É comum ele identificar uma pessoa da existência passada como sendo sua mãe, por exemplo, através do mesmo olhar (os olhos são o espelho da alma), do sorriso, do jeito de andar, etc. Os corpos físicos são diferentes, mas a alma, o espírito, é o mesmo; 

Vivência mista: ocorre quando o paciente regride de forma completa (quando há uma mistura das vivências anteriormente mencionadas). Ou seja, ele vê, ouve, sente e intui de forma intensa. Neste aspecto, existem três formas do paciente participar de seu processo regressivo: 

A) ATIVA: participa ativamente na sessão de regressão. Ele “entra” no filme, é o próprio protagonista do enredo; ele sabe que está revivenciando uma experiência de seu passado e jamais perde a consciência. Analogamente dizendo, é como você assistir um filme na TV e se emocionar, sentir as mesmas sensações físicas do personagem, como se fosse o próprio ator (atriz) do filme. Mas sabe que é apenas um filme e não uma realidade. Da mesma forma, o paciente sabe, tem consciência que está revivenciando uma experiência de seu passado; 

B) PASSIVA: o paciente regride de forma racional (retrocognição) como se estivesse assistindo um filme pela TV. É um telespectador recordando suas vidas passadas, mas sem se envolver emocionalmente; 

C) MISTA: pode regredir ativamente durante quase toda a sessão de regressão, mas, no final, ao revivenciar sua experiência de morte, revive de forma passiva, como um espectador. È evidente que essa forma de regredir é um mecanismo de defesa psíquica de não revivenciar experiências muito dolorosas. É uma forma de sua mente inconsciente poupá-lo de sentir novamente a experiência dolorosa de seu passado por não estar ainda preparado psicologicamente para suportar o impacto das experiências traumáticas de seu passado, causador de seu problema na vida presente. 

CASO CLÍNICO:

Agressão Física. Homem de 40 anos, solteiro. 

O paciente veio ao meu consultório por conta de seu quadro depressivo. Desde então tomava regularmente antidepressivo (lexotan), mas continuava vindo sempre a idéia de suicídio. Seu pessimismo era muito intenso, a libido inexistente (falta de apetite sexual). Antes de 1992, seu interesse sexual era normal, gostava de conversar, dançar, ouvir músicas. Ao me procurar estava totalmente retraído, não se emocionava mais, estava apático. Ao tomar moderador de apetite, desencadeou uma segunda crise depressiva em 2004. Desta forma, queria saber o porquê dessas crises de depressão, pessimismo e desinteresse pela vida. 

Ao regredir me relatou: “Estou vendo os meus pais. Eles são muito carinhosos. Meu pai está bem vestido, usa barba, eu o vejo em pé dentro de casa. Estou sentado no chão brincando, devo ter uns três anos. Minha mãe está sentada na cadeira. Ela é branca, cabelos pretos. Meu pai é alto, cabelos pretos e é moreno. Não vejo os meus irmãos”. 

Avance mais para frente na sua infância – peço-lhe.

“Estou agora com sete anos. Estou com cabelo cortado, baixinho, uso topete. Visto uma calça com suspensórios, calço um sapato branco e meia branca. Eu sou feliz com os meus pais (pausa). 

Avance mais para frente nessa cena – peço-lhe.

“Meus pais me deixam na escola. É uma escola de padres, é na Bolívia. As carteiras são individuais, o professor é padre e deve ter uns 50 alunos. Estou vestindo uma calça azul, camisa e blusa branca. Era o uniforme da escola. Agora vejo um outro padre. Ele também é professor, só que de outra turma. Ele sentou-se do meu lado, ainda não começou a aula. Ele brinca comigo, fala em espanhol. Eu ainda não domino bem o idioma porque antes dos sete anos, minha família morava no Brasil, em São Paulo. Eu não entendi bem o que ele me disse e não gostei da brincadeira e lhe respondi de forma agressiva. Ele não gostou e foi se queixar para o meu professor. O professor me chamou e na frente de todos – meninos (as), torceu minha orelha e me encheu de bofetadas, e, em seguida, me mandou de volta à minha carteira. Ele falou: “Que isso sirva de exemplo para todos”! Eu estava atordoado, assustado, não estava entendendo nada. Achei que o meu professor iria apenas chamar a minha atenção, mas, ao invés disso, me agrediu brutalmente (paciente começa a chorar copiosamente). Meu rosto ficou vermelho, doía bastante. Ele deixou as marcas das mãos dele no meu rosto. Eu voltei para a minha carteira, não chorei. Os meus colegas estavam todos apavorados… Eu me senti sozinho, perdido, desamparado (chora intensamente). Estava me sentindo muito humilhado e com muita raiva”. 

Repita essa palavra (raiva) – peço-lhe.

“Raiva! (paciente grita várias vezes). Eu não contei para os meus pais o ocorrido porque me senti envergonhado pela humilhação que passei. Eu não entendi direito a brincadeira daquele padre; eu não falava direito o espanhol. Após esse incidente, eu sempre evitava o meu professor e aquele padre que brincou comigo. Após concluir o ensino fundamental, voltamos para São Paulo. Quando tinha 20 anos, voltei à Bolívia e fui procurar os dois padres. Infelizmente nenhum deles estava mais no colégio. Tinham sido transferidos para outro país. Eu só queria entender o que foi que aconteceu naquele dia. O mal-entendido que houve com aquele padre fez com que eu me tornasse uma criança séria, que não gostava de brincadeiras. Eu me fechei, ficava triste, não era de sorrir muito. Acho que me fechei de tal forma que acabei negando esse incidente, tanto é verdade que eu não me lembrava desse episódio. Só vim a lembrar agora na regressão de hoje”. 

Na regressão seguinte, pedi para que o paciente imaginasse um palco de um teatro.
– Imagine-se sentado na poltrona da 1ª fileira do auditório. O teatro está vazio. Imagine vendo aquele padre que brincou com você, no palco desse teatro. Focalize o holofote só nele e converse com ele (pausa). Pergunte-lhe por que ele foi queixar-se com o seu professor. Diga-lhe também que não entendeu as suas brincadeiras porque não dominava bem a língua espanhola. 

Ao perguntar ao padre, este lhe respondeu: “Na verdade, eu não sabia que você não entendia o espanhol. Eu achei que você estava sendo muito mal educado comigo, por isso me queixei com o seu professor. Mas, sinceramente, eu mesmo fiquei surpreso com a reação violenta dele. Achei que ele iria conversar com você, não esperava que ele fosse agredi-lo daquele jeito. Eu me senti culpado e constrangido com o ocorrido. Peço desculpas por ter provocado aquele incidente”. 

Paciente chora emocionado e diz: “Agora entendo o que aconteceu. Vejo que houve um mal-entendido de ambas as partes. Mas agora eu consigo te perdoar. Para mim ficou claro o que ocorreu naquele dia”. 

Após o diálogo, pedi para o paciente se despedir do padre. No final da sessão, o paciente me disse que na verdade sentia mágoa daquele padre e não de seu professor. Após passar por mais quatro sessões de regressão, o paciente me disse que não se sentia mais depressivo, se sentia mais solto, mais disposto e comunicativo. Estava motivado e esperançoso e já tinha planos para o seu futuro.
Demos por encerrado o nosso trabalho. 

Osvaldo Shimoda 
Site: www.portalangels.com.br





sábado, 7 de março de 2015

ESPIRITUALIDADE

Serenidade Sempre

Todo homem sábio é sereno.

A serenidade é conquista que se consegue com o esforço pessoal, passo a passo.

Pequenos desafios que são superados, irritações que conseguimos controlar; desajustes emocionais corrigidos; vontade bem direcionada; ambição freada são todas experiências para a aquisição da serenidade.

Um espírito sereno é aquele que já se encontrou consigo próprio, sabendo exatamente o que deseja da vida.

A serenidade harmoniza, exteriorizando-se de forma agradável para os que estão à volta. Inspira confiança, acalma e propõe afeição.

O homem que consegue ser sereno já venceu grande parte da luta.

Assim, não permita que nenhuma agressão exterior lhe perturbe, causando irritação e desequilíbrio.

Procure manter a serenidade em todas as realizações.

A sua paz é moeda arduamente conquistada, que você não deve atirar fora por motivos irrelevantes.

Os tesouros reais, de alto valor, são aqueles de ordem íntima, que ninguém toma, que jamais se perdem, e sempre seguem com você.

Quando esteja diante de alguém que engana, traindo a sua confiança, o seu ideal, procure manter-se sereno.

O enganador é quem deve estar inquieto, e não a sua vítima.

No seu círculo familiar ou social, você sempre irá se defrontar com pessoas perturbadas, confusas e agressivas.

Não se desgaste com elas, competindo nas faixas de desequilíbrio em que se fixam. Elas são um teste para sua paciência e serenidade.

Procure manter-se sempre em contato com o alto, através da prece e em contato consigo mesmo, buscando continuamente compreender as situações que a vida lhe apresenta, enxergando-as como oportunidades, e não como crises.

Quem consegue manter a serenidade diante das pequenas dificuldades que surgem, vence mais facilmente os grandes desafios.

O homem sereno consegue viver mais feliz, pois nada parece afligi-lo a ponto de faze-lo desistir dos sonhos que traçou para si mesmo.

O homem sereno jamais busca resolver suas questões através de comportamento violento, e por isso há mais paz em sua vida.

A serenidade que Jesus mantinha em seu coração era algo sublime.

Poucos eram aqueles que não se emocionavam em sua presença, pois esta virtude se exteriorizava pelo olhar tranqüilo e profundo, irradiava pelo semblante carinhoso e pacífico; emanava pelas palavras ditas com tanto amor, que pareciam beijar e abraçar aqueles que as ouviam.

Poucos foram aqueles que não tiveram seus olhares inundados, por estarem na companhia do espírito mais sereno que já esteve na face da terra.


Divaldo Franco

Autor: desconhecido



Poema da Gratidão 

Senhor, muito obrigado, pelo que me deste, pelo que me dás! 

pelo ar, pelo pão, pela paz! 

Muito obrigado, pela beleza que meus olhos vêem no altar da natureza. 

Olhos que contemplam o céu cor de anil, e se detém na terra verde, salpicada de flores em tonalidades mil! 

Pela minha faculdade de ver, pelos cegos eu quero interceder, por aqueles que vivem na escuridão e tropeçam na multidão, por eles eu oro e a Ti imploro comiseração, pois eu sei que depois dessa lida, numa outra vida, eles enxergarão! 

Senhor, muito obrigado pelos ouvidos meus. 

Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro, a melodia do vento nos ramos do salgueiro, a dor e as lágrimas que escorrem no rosto do mundo inteiro. 

Ouvidos que ouvem a música do povo, que desce do morro na praça a cantar. 

A melodia dos imortais que a gente ouve uma vez e não se esquece nunca mais. 

Diante de minha capacidade de ouvir, 

pelos surdos eu te quero pedir, pois eu sei, que depois desta dor, no teu reino de amor, eles voltarão a ouvir! 

Muito obrigado Senhor, pela minha voz! 

Mas também pela voz que canta, que ensina, que consola. 

Pela voz que com emoção, profere uma sentida oração! 

Pela minha capacidade de falar, pelos mudos eu Te quero rogar, pois eu sei que depois desta dor, no teu reino de amor, eles também cantarão! 

Muito obrigado Senhor, pelas minhas mãos, mas também pelas mãos que aram, que semeiam, que agasalham. 

Mãos de caridade, de solidariedade. Mãos que apertam mãos. 

Mãos de poesias, de cirurgias, de sinfonias, de psicografias, mãos que numa noite fria, cuida ou lava louça numa pia. 

Mãos que a beira de uma sepultura, abraça alguém com ternura, num momento de amargura. 

Mãos que no seio, agasalham o filho de um corpo alheio, sem receio. 

E meus pés que me levam a caminhar, sem reclamar. 

Porque eu vejo na Terra amputados, deformados, aleijados...e eu posso bailar!!... 

Por eles eu oro, e a ti imploro, porque eu sei que depois dessa expiação, numa outra situação, 

eles também bailarão. 

Por fim Senhor, muito obrigado pelo meu lar! 

Pois é tão maravilhoso ter um lar... 

Não importa se este lar é uma mansão, um ninho, uma casa no caminho, um bangalô, seja lá o que for! 

O importante é que dentro dele exista a presença da harmonia e do amor! 

O amor de mãe, de pai, de irmão, de uma companheira... 

De alguém que nos dê a mão, nem que seja a presença de um cão, porque é tão doloroso viver na solidão! 

Mas se eu ninguém tiver, nem um teto para me agasalhar, uma cama para eu deitar, um ombro para eu chorar, ou alguém para desabafar..., não reclamarei, não lastimarei, nem blasfemarei. 

Porque eu tenho a Ti! 

Então muito obrigado porque eu nasci! 

E pelo teu amor, teu sacrifício, tua paixão por nós, 

Muito obrigado Senhor! 

Divaldo Franco / Amélia Rodrigues 


Autor:Desconhecido 












MENSAGENS DE AUTO AJUDA

Olhe

Olhe para trás, veja os obstáculos que você superou. Veja o quanto você já aprendeu nesta vida e quanto você cresceu...
Olhe para frente, não fique parado, levante-se quando tropeçar e cair. Estabeleça metas, tenha planos e prossiga com firmeza.
Olhe para dentro, conheça seu coração e analise seus projetos, mantenha puros seus sentimentos, não deixe que o orgulho, a vaidade e a inveja dominem seus pensamentos e seu coração.

Olhe para o lado, socorra quem precisa de você. Ame o próximo e seja sensível para perceber as necessidades daqueles que o cercam.

Olhe para baixo, não pise em ninguém, perceba as pequenas coisas e aprenda a valorizá-las

Olhe para cima. Há um Deus maior do que você que te ama muito e cuida para que você tenha tudo aquilo que necessitar.

Olhe para Deus. Perceba a profundidade, a riqueza e o poder da bondade divina. Sinta esse Deus que olha por você em todos os dias de sua vida..........


Seja feliz!





O Sentido da Vida

Ponha a mão no peito e sinta as batidas do seu coração.Esse é o relógio da sua vida tiquitaqueando a contagem regressiva do tempo que lhe resta. Um dia ele parará. Isso é cem por cento garantido e não há nada que você possa fazer a respeito. Portanto, não dá para perder um único precioso segundo.

Vá atrás do seu sonho com energia e paixão, ou, então, recue e veja-o escorrer pelo ralo. Se você passar o tempo todo em cima do muro, acabará não indo a lugar algum no pouco tempo que lhe resta (sem falar, claro, no perigo das farpas em lugares inconvenientes). Como dizem: "não se salta uma fenda em dois pulinhos".

É preciso coragem e dedicação para viver o seus sonhos. (Claro, também é preciso lembrar onde acaba a coragem e começa a estupidez). A verdade é que todos nascemos com potencial para a grandeza, abençoados com oportunidades para alcançar novas e estonteantes alturas. Mas, tristemente, muitos de nós são preguiçosos demais, preocupados demais com o que os outros possam pensar, com medo demais de mudanças, para abrir suas asas e usar todos os seus talentos.

É importantíssimo fazer o que deixa feliz - e da melhor maneira possível. Não importa que seja fazer bolas de neve, prender a respiração debaixo d'água, cantar, ou conseguir efeitos dramáticos com um secador de cabelos. Só o que interessa é que você se sinta bem com o que está fazendo.

Tenha sempre em mente que, faça o que você fizer, os enganos são parte da vida e não perca tempo se castigando por erros do passado. Não fique ruminando se está ou não fazendo a coisa certa. Você sempre saberá a resposta no seu coração. Em vez de desanimar-se, lembre-se sempre de que rejeição e resistência são inevitáveis quando se faz algo muito importante ou especial. 

Quando você se propõe a realizar seus sonhos, muitos tentarão detê-lo (incluindo os que mais amam você). O que não falta neste mundo são pessimistas lamentáveis, que desistem dos seus sonhos, para lhe dizer: "não perca seu tempo, você nunca conseguirá."

Você pode muito bem se ver cercado por pessoas que, secretamente, querem ver você fazer menos, ou fracassar por completo, para não se sentir diminuídas. "Esqueça isso", dirão. "Não vale a pena." Por isso, é importante compreender que seguir o seu próprio caminho pode ser incrivelmente recompensador, mas não é fácil não. Como todo mundo, você terá alguns dias melhores que outros. De vez em quando, tudo parecerá uma grande zona de perigo.

As pessoas olharão para você com estranheza quando souberem o que você está tentando atingir e você começará a ouvir seus detratores e a ter dúvidas. "Porque não continuei vendendo bananas, meu Deus?"

Mas, aconteça o que acontecer, não desista!

Lembre-se de que todos têm dificuldades.. É incrivelmente cansativo passar dias fazendo coisas que não nos agradam ou sequer nos interessam. Mas, se você perseguir o seu sonho, pelo menos se cansará fazendo o que mais gosta.

Você pode achar que nada disto significa muito no grande esquema global das coisas.

Mas, acredite: significa. Quando você tirar tudo que puder da sua vida, saboreando cada gota, isto mudará tudo à sua volta, de ordinário para extraordinário. Quando estiver fazendo o que ama, você se levantará de manhã cheio de animação para enfrentar o começo de cada dia e estará tomado de uma alegria sincera, altamente contagiante.

Do mesmo modo que, ao dar uma boa risada, faz outro começar a rir, e outro, até que estão todos rindo tanto que começam a lacrimejar, ter dor de estômago e dificuldades em respirar. Mas, melhor do que tudo, fazendo coisas que enroscam os seus bigodes de fazer (presumindo-se, claro que você tenha bigodes), você inspira outros a irem atrás dos seus sonhos, e é assim, meu amigo, que se transforma o mundo!

Sabe de uma coisa? Mesmo que você cometa enganos e esteja errado sobre quase tudo, ainda assim sua vida será uma aventura fantástica e divertida; você dormirá cada noite sabendo que fez o que podia e isso fez diferença e acordará a cada dia antecipando o futuro tão belo e excitante quanto puder imaginar.

E sabe de outra coisa? Se você ouvir seu coração e usar a cabeça, nunca estará errado.

Luiz Fernando Veríssimo



MENSAGENS DE AUTOCONHECIMENTO

O sucesso nasce do querer


O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.

Por meio de experiências difíceis, a vida, muitas vezes, ganha maior significado. Se você observar pessoas que desde o início da vida tiveram tudo, vai perceber como elas perdem a esperança rapidamente quando se deparam com pequenas adversidades.

Outras, que passaram por dificuldades, têm uma reação diferente porque desenvolveram atitudes mentais mais fortes: sábias palavras de Dalai-Lama.

Mesmo que as circunstâncias mudem ou se tornem hostis aos seus ideais, siga determinado! Com foco e motivação, somos capazes de filtrar os acontecimentos ruins e fazer com que tudo se transforme em estímulo e motivação.

Quando nos mantemos fortes para alcançar um objetivo, a realização vem mais rápido. Metas sem força jamais são concretizadas. E força sem metas é apenas intenção.

Resumindo: a vitória não existe sem a determinação! Portanto, mantenha-se firme e determinado sempre!

Site: Portal Angels


Estagnação em qualquer área da vida pode virar doença 

As doenças e seus sintomas são sinais de alarme de nossa psique nos avisando que há algo muito mais profundo pedindo atenção. Cabe a cada um de nós entender a linguagem do próprio corpo. 

Quando ficamos parados, estagnados, acomodados, muitas vezes recebemos sinais através de nosso corpo que é preciso fazer algo. Os sintomas, assim como as doenças, geralmente nos trazem uma mensagem que é preciso olhar para dentro de nós mesmos e perceber onde paramos, onde deixamos de crescer. Adoecemos quando nos desviamos da essência, da busca, quando deixamos essencialmente de trocar. Quando não há troca, se morre. 

Já percebeu que quando duas pessoas envolvidas emocionalmente param de trocar, o relacionamento adoece ou acaba? O mesmo acontece conosco. Quando surge uma doença é importante nos perguntarmos onde deixamos de trocar. Se há estagnação, não há evolução e surge a doença. O sintoma é uma denúncia que não está tendo troca em alguma área da vida. Qual? Observe sua vida e responda a si mesmo. Há seis instâncias humanas que refletem como estamos agindo diante da vida, elas são: 

– Físico 

– Sentimental/Emocional 

– Espiritual 

– Profissional 

– Familiar 

– Social 

Em qual área da sua vida não tem havido troca e crescimento? Será que está dando mais atenção a uma área, para fugir de outra que se encontra em conflito? Por exemplo, é muito comum uma pessoa trabalhar em excesso, saindo cedo e chegando tarde em casa, evitando se confrontar com as dificuldades que existem no ambiente familiar, ou até, se sobrecarregar, ter muitos compromissos, evitando pensar e entrar em contato com os próprios sentimentos. Pode também acontecer de um conflito familiar se refletir na relação afetiva. Ou ainda, um conflito interno e pessoal se refletir em outra área. Ou seja, há um conflito, ainda que não esteja sendo percebido ou vivenciado de maneira consciente, mas como nosso inconsciente sabe muito bem tudo que sentimos, ainda que neguemos, esse conflito pode se refletir em nosso físico. 

O meio de expressão do corpo é a linguagem simbólica, apesar de que muitos jamais cheguem a compreender o que lhes diz o próprio corpo. E os sintomas são expressões simbólicas que, de forma violenta, violam e denunciam conflitos não resolvidos da alma. Mas muitas pessoas preferem tomar um comprimido a ter que se confrontar e aprofundar na busca das causas de seus conflitos. Escolhem “terceirizar” a responsabilidade da cura para o médico, os remédios, sem perceberem que a capacidade de cura está dentro delas mesmas. Mas quando um sintoma se manifesta no corpo, chama a atenção e interrompe muitas vezes a continuidade do caminho que estávamos até então percorrendo. Isso muitas vezes é um sinal de advertência, indicando que alguma coisa não está em ordem, não está havendo harmonia em alguma área de sua vida, ou ainda, como reflexo de todo um histórico. 

O sintoma nos avisa que estamos doentes e que o equilíbrio de nossas forças interiores está comprometido. É quando devemos desviar o olhar do sintoma e examinar tudo com mais profundidade, a fim de compreender para que o sintoma está apontando. O sintoma nos informa que está faltando alguma coisa. Isso nos leva a perguntar: “O que está faltando?” Ou, “estou no caminho certo?” Como disse o escritor Peter Altenberg: “A doença é o grito de uma alma agredida”. 

Ao surgir uma doença, observe seus sintomas e pense onde sua alma foi agredida, e porque permitiu que isso acontecesse. Na verdade, quando ficamos parados, adoecemos porque existe algo mais forte, a nossa essência, o self, nosso verdadeiro eu, que nos impulsiona para o crescimento. Enquanto houver a negação do conflito, ele buscará uma forma de se manifestar com o intuito de ser confrontado e elaborado. Ou seja, as doenças e seus sintomas são sinais de alarme de nossa psique nos avisando que há algo muito mais profundo pedindo atenção. Cabe a cada um de nós entender a linguagem do próprio corpo. 

Rosemeire Zago – r.zago@uol.com.br

Site: Portal Angels

MOMENTO DE REFLEXÃO/MENSAGENS

A Casa Mental

Nossa mente é como uma casa. Pode ser grandiosa ou pequenina, suja ou cuidadosamente limpa. Depende de nós. 

Você já observou como agimos com relação aos pensamentos que cultivamos? 

Em geral, não temos com a mente o cuidado que costumamos dispensar aos ambientes em que vivemos ou trabalhamos. 

Quem pensaria em deixar sua casa ou escritório cheio de sujeira, acumulando lixo ou tomado por ratos e insetos? 

Certamente ninguém. 

No entanto, com a casa mental somos menos atenciosos. É que permitimos que pensamentos infelizes e maus sentimentos encontrem morada em nosso coração. 

E como fazemos isso? 

Agimos assim quando permitimos que tenham livre acesso às nossas mentes os pensamentos de revolta, inveja, ciúme, ódio. 

Ou quando cultivamos desejo de vingança, rancor e infelicidade. 

Nesses momentos, é como se enchêssemos de sujeira a mente. Uma pesada camada de pó cobre a alegria e impede que estejamos em paz. 

Além da angústia que traz, a mente atormentada influencia diretamente o corpo, acarretando doenças e sofrimentos desnecessários. 

E pior: contribui para o isolamento. 

Sim, porque as pessoas percebem quando não estamos bem espiritualmente. 

O azedume de nossas palavras, o rosto contraído, tudo faz com que os outros desejem se afastar de nós, agravando nossa infelicidade. 

E o que fazer para impedir que isso aconteça? 

A resposta foi dada por Jesus: orar e vigiar.

A vigilância é essencial para quem deseja a mente saudável. 

Nossa tarefa é observar cada pensamento que se infiltra, analisar a natureza dos sentimentos que surgem. 

E, principalmente, estar alerta para arrancar como erva daninha tudo o que possa nos prejudicar. 

Dado esse primeiro passo que é a vigilância, é importantíssimo estar atento para a segunda recomendação de Jesus: a oração. 

Quando identificamos dentro de nós os feios sentimentos, as más palavras e os pensamentos desequilibrados, sempre podemos recorrer à oração. 

A prece é um pedido de socorro que dirigimos ao Divino Pai. Quando nos sentimos frágeis para combater os pensamentos infelizes, é hora de pedir auxílio a Deus. 

É tempo de falar a Ele sobre a fraqueza que carregamos ou a tristeza que nos abate. É o momento de pedir força moral. 

E o Pai dos Céus nos enviará o auxílio necessário. 

Mas... de nossa parte, é importante não haver acomodação. É preciso trabalhar para ser merecedor da ajuda que Deus nos manda. 

Como fazer isso? Contrapondo a cada mau pensamento os vários antídotos que temos à nossa disposição: as boas atitudes, o sorriso, a alegria, as boas leituras. 

Em vez da maledicência, a boa palavra, as conversas saudáveis. 

No lugar da crítica ácida, optar pelo elogio ou pela observação construtiva. 

Se surgir um pensamento infeliz, combatê-lo com firmeza. 

Não se deixe escravizar. 

Se alguém o ofender ou fizer mal, procure perdoar, esquecer. E peça a Deus a oportunidade de ser útil a essa pessoa. 

Não esqueça: todo dia é excelente oportunidade para iniciar a limpeza da casa mental. Comece agora mesmo.

Redação do Momento Espírita



Lugar Certo 

O dia havia apenas amanhecido e o agricultor solitário já estava capinando a lavoura. 

Aquele seria, como outros tantos, um dia de trabalhos árduos de sol a sol. 

Ele sulcava o solo e ao mesmo tempo pensava na vida. Como era difícil a sua luta diária para sustentar a família. 
Algumas vezes se surpreendeu questionando a justiça divina, que o escolhera para o trabalho duro enquanto privilegiava outros com tarefas leves e agradáveis.

O sol já ia alto quando ele, cansado, tirou o chapéu e limpou o suor que escorria pelo rosto. Apoiou o braço sobre o cabo da enxada e se deteve a olhar ao redor por alguns instantes. 

Ao longe podia-se ver a rodovia que cruzava as plantações e ele avistou um ônibus que transitava pelas cercanias. 

Imediatamente pensou consigo mesmo: "vida boa deve ser a daquele motorista de ônibus. Trabalha sentado, e sem muito esforço conduz muita gente a vários destinos. Não toma chuva nem sol e ainda de quebra deve ouvir uma musiquinha para se distrair". 

De fato o motorista trabalha sentado e não está sujeito às intempéries. 

Todavia, ao ser ultrapassado por um automóvel de passeio, começou a pensar de si para consigo: "vida boa mesmo deve ser a desse executivo, dirigindo um carrão de luxo!". 

"Não tem patrão para lhe cobrar horários nem tem que passar dias na estrada como eu, longe de casa e da família." 

No entanto, logo à frente o executivo pensava em como era difícil a sua labuta. 

As preocupações com os negócios, as viagens longas, as reuniões intermináveis, o salário dos empregados no final do mês, os impostos, aplicações, investimentos e outras tantas coisas para resolver. 

Mergulhado em seus pensamentos, olhou para o céu e avistou um avião que cruzava os ares, e disse como quem tinha certeza: "vida boa é a de piloto de avião. Conhece o mundo inteiro de graça, não precisa enfrentar esse trânsito infernal e o salário é compensador". 

Dentro da cabina da aeronave estava um homem a pensar nos seus próprios problemas: "como é dura a vida que eu levo. 

Semanas longe da esposa, dos filhos, dos amigos. Vivo mais tempo no ar do que no solo e, para agravar, estou sempre preocupado com as centenas de pessoas que viajam sob minha responsabilidade". 

Nesse instante, um ponto escuro no solo lhe chamou atenção. Observou atentamente e percebeu que era um homem trabalhando na lavoura. 

Exclamou para si mesmo com certa melancolia: "ah como eu gostaria de estar no lugar daquele homem, trabalhando tranqüilamente em meio à vegetação e ouvindo o canto dos pássaros, sem maiores preocupações! 

E ao final do dia voltar para casa, abraçar a esposa e os filhos, jantar e repousar serenamente ao lado daqueles que tanto amo. Isso sim é que é vida boa!". 

Pense nisso! 

Deus, que é a Inteligência Suprema do Universo, sabe qual é o melhor lugar para cada um de seus filhos. 

Deus sabe o de que necessitamos para evoluir e que lições devemos aprender. 

Por essa razão todos estamos no lugar correto, com as pessoas certas, e na profissão adequada ao nosso adiantamento. 

Lembremo-nos de que, se temos problemas, temos também soluções e muitos motivos de alegria. 

Por isso, façamos o melhor que esteja ao nosso alcance, pois viver é, e sempre será, um grande desafio à inteligência humana e à capacidade do homem de florescer no lugar exato em que foi plantado. 

Pense nisso! 


Redação do Momento Espírita 


TESTE DE OBEDIÊNCIA

Teste de Obediência

Quando eu já tinha adquirido certa experiência na tarefa de anotar o que Meishu-Sama ditava, recebi um ensinamento a respeito da obediência. O fato ocorreu numa ocasião em que eu passava a limpo os originais já corrigidos por Meishu-Sama. Havia uma letra errada, em determinada frase, mas transcrevi-a da mesma maneira. Vou explicar porque agi assim.

Uma vez, quando eu estava passando um livro a limpo creio que era o livro intitulado “O Tratamento da Tuberculose pela Fé”, escrito por Meishu-Sama, encontrei no prefácio a palavra “Shinka”. Recorri ao dicionário e encontrei o termo “Shinka, mas a segunda letra era diferente da que Meishu-Sama tinha usado; além disso, seu significado era “valor real”, o que absolutamente não cabia na frase. Continuei procurando, mas não consegui encontrar a palavra Shinka escrita com as letras que Meishu-Sama usava. Pensando que talvez ele tivesse feito confusão, peguei o texto e perguntei-lhe receoso.” Meishu-Sama, nesse texto está escrito Shinka, mas o Senhor não teria confundido com a palavra que significa “valor real”? Nesse caso, a segunda letra “está errada”. Não, a letra está certa. Eu não quis dizer “valor real”, e sim “resultado real”, disse Meishu-Sama. E me repreendeu: “De qualquer forma, limite-se a passar a limpo como eu escrevi; estou criando uma nova civilização, por isso uso neologismo que não constam no dicionário. Aliás, vocês pronunciam a palavra johrei constantemente como se fosse uma palavra muito comum, mas esse termo não consta em nenhum dicionário, sabia”?

Em vista disso, na segunda vez que o fato ocorreu, apesar de ter anotado o erro, reproduzi exatamente o que Meishu-Sama escrevera. Momentos depois que lhe entreguei o artigo ele me chamou e, sorrindo disse: “A verdade é que dessa vez eu quis ver até que ponto você está obedecendo aquilo que eu lhe disse quando me perguntou o significado da palavra “shinka”. Premeditadamente empreguei uma palavra errada. Fiz um teste para ver se você passaria a limpo obedientemente ouviria retrucar, dizendo que a palavra estava errada. Como você deixou do jeito que eu escrevi, está aprovado”. Essas palavras fizeram com que eu me sentisse bem pequenino. 

(Um Servidor) - Pág. 73/74

Fonte: Reminiscências sobre Meishu-Sama
(Tradução aprovada pela Igreja Messiânica Mundial do Brasil)
Edição da Fundação Mokiti Okada M.O. A – São Paulo/SP.
Vol.III – 2. Edição / Julho/1986



Solicite johrei á qualquer Hora

Na casa de Meishu-Sama, entre homens e Mulheres, havia sempre quatorze ou quinze dedicantes que junto a ele, serviam na Obra Divina de diversas formas. Meishu-Sama começava a trabalhar muito cedo, só terminando ás duas horas da madrugada; nesse espaço de tempo, as pessoas que o serviam tinham que trabalhar arduamente, num ritmo intenso. Assim sendo, algumas recebiam purificações.

Todos os dias, numa hora pré-estabelecida, Meishu-Sama ministrava johrei nos dedicantes que estivessem purificando e que, por meio do encarregado, tivessem feito a solicitação antecipadamente. Esses pedidos geralmente eram feitos pelo encarregado durante a primeira refeição da manhã. Se ele dizia a Meishu-Sama; “Fulano ministre johrei hoje”, ás dezessete horas essa pessoa podia ir receber johrei. (isso, mais ou menos em 1953)

Observando o estado da pessoa, se a purificação era pequena Meishu-Sama lhe ministrava johrei rapidamente, em dois ou três minutos. Entretanto, ouvi dizer que nas pessoas que se encontravam em estado grave ou naquelas cujo sofrimento era intenso, Meishu-Sama ministrava johrei durante longo tempo. Parecia, portanto, que a duração do johrei dependia do estado das pessoas.

Havia dedicantes que, embora estivesse em purificação, não se apercebiam disso. Muitas vezes, notando o estado de algumas delas, de manhã, na hora do cumprimento diário, Meishu-Sama lhes dizia: Você está com fisionomia abatida. Como se sente? “Parecia que nessa tarde, ministrava-lhes johrei. Segundo também ouvi dizer, estava determinado que, quando alguém se sentisse mal, deveria solicitar johrei a qualquer hora; tratando-se de um mal- súbito, podia-se fazer a solicitação mesmo que Meishu-Sama estivesse em pleno serviço. Assim, nos casos em que não se podia deixar a pessoa sem receber johrei, Meihu-Sama tirava alguns minutos do seu tempo especialmente, para ministrá-lo. 

Parece que algumas pessoas chegaram a recebê-lo três vezes por dia de manhã á tarde e á noite não obstante a sobrecarga de tarefas de Meishu-Sama.

Shibutyo – (Um Dirigente do Templo / Filial) – Pág. (77/78)



SAUDAÇÃO DE ANO NOVO DE 2015/JAPÃO - REV. KOBAYASHI

Saudação de Ano Novo 2015 – Rev.Kobayashi

Rev. Masayoshi Kobayashi
Presidente da Igreja Messiânica Mundial – Izunome

Feliz Ano-Novo a Todos!

Sinto imensa gratidão pela permissão de vermos o início de mais um novo ano, envolvidos pela Luz do Supremo Deus e de Meishu-Sama e também pelas orações de Kyoshu-Sama.

Hoje, celebramos os 80 anos de instituição da nossa Igreja. Trata-se de um momento muito importante, que marca o início de um novo ciclo. Desejo, portanto, que retornemos ao sentimento inicial e, com espírito de aprendizes, estudemos os ensinamentos de Meishu-Sama. Desejo, ainda, que continuemos nos inspirando nas orientações de Kyoshu-Sama e empenhando-nos, de corpo e alma, na vivência das práticas básicas da fé messiânica e das três colunas da salvação. Que, por meio do amor altruísta, cultivemos a virtude, sejamos pessoas simpáticas e cumpramos nossa missão como pioneiros da salvação!

Conforme os veículos de comunicação vêm noticiando, tanto a natureza como a sociedade vêm atravessando um período bastante conturbado. Problemas complexos, catástrofes e conflitos surgem sem cessar, um após o outro. Contudo, isso não deve ser interpretado como algo totalmente negativo. Afinal, confrontar-se com um obstáculo é o primeiro passo rumo ao crescimento, ao desenvolvimento. Porém, para ultrapassarmos um obstáculo, que exige maior atenção, devemos ter força e sabedoria suficientes para identificar e solucionar o que o originou. Em outras palavras, quando entramos em um período conturbado, é necessário “voltar ao início”.

A prática das três colunas da salvação de maneira equilibrada

Em 2014, três cientistas japoneses foram laureados com o prêmio Nobel de Física pela invenção do LED (diodo emissor de luz) Azul, que reuniu as três cores primárias da luz, possibilitando, assim, que qualquer outra cor possa vir a ser utilizada. Na nossa igreja, a religião da Luz, as três colunas da salvação “Johrei, Agricultura e Alimentação Naturais e a Arte” equivalem às “três cores primárias da Luz”. A salvação plena proposta por Meishu-Sama vai-se desenvolvendo de maneira livre e desimpedida, quando esses três aspectos são implementados harmoniosamente em nossas vidas. Portanto, é fundamental praticá-los no nosso dia a dia e de maneira bem equilibrada.

As “práticas básicas”, indispensáveis na elevação da fé

Um bom jogador de beisebol, seja profissional ou amador, está sempre treinando as técnicas básicas de seu esporte, como por exemplo, pegar a bola enquanto corre. Do mesmo modo, em tudo o que fazemos, para que consigamos progredir, não podemos nunca esquecer o essencial. As práticas fundamentais do membro da Igreja Messiânica Mundial são culto, Johrei e dedicação. Se desejamos a elevação de nossa fé, devemos praticar estes três pilares de maneira contínua, sem vacilo e sempre com o espírito renovado.

Sobre o Culto. Naturalmente, é muito importante orar nos Solos Sagrados e nas unidades religiosas. Contudo, é essencial empenhar-se para viver uma vida de oração. Nidai-Sama nos orienta: “Iniciar algo com oração é uma tarefa dos religiosos e também a prática básica para salvar o mundo.” Ela nos aconselha a orar pela manhã e nos empenhar ao máximo para cumprir nossa missão diária e, à noite, agradecer, antes de descansar. É preciso orar para renovar-nos e sermos utilizados como elementos úteis na construção do Paraíso Terrestre.

O primeiro passo rumo a uma “vida de oração” é a entronização do altar do lar. Meishu-Sama nos ensina que “com o culto no altar do lar, a atmosfera espiritual do lar se ilumina”, que “a cada vez que oramos diante do altar do lar, recebemos luz e vamos sendo purificados”. No caso daqueles que ainda não têm o altar do lar, peço que continuem se empenhando, contando sempre com a ajuda dos antepassados, para que toda a família ingresse na fé, podendo, assim, passar a contar com seu apoio nas dedicações.

Sobre o Johrei. Devido a seus resultados espetaculares, o Johrei tende a ser interpretado como uma técnica de purificação física. Contudo, seu principal objetivo – criar pessoas ligadas a Deus –, se concretiza à medida que, conhecendo o grande amor divino presente e atuante em sua essência, nos empenhamos em compartilhar este amor com as pessoas que se encontram à nossa volta. Meishu-Sama nos orienta que o Johrei é o único, inigualável, absoluto e radical meio de eliminação do conflito. A boa vontade em dialogar, em compreender uns aos outros e em criar um sistema colaborativo, ou seja, os esforços em prol da criação de um mundo harmonioso apresentarão maiores resultados se forem realizados com a ministração do Johrei.

Não podemos esquecer, ainda, que a Agricultura e a Alimentação Naturais, as atividades da Ikebana Sangetsu e o sonen e palavras do bem, dentre outras práticas, são todos meios para purificar as nuvens espirituais. Portanto, neste aspecto, são iguais ao Johrei. Desse modo, precisamos dedicar-nos com afinco à prática do Johrei em sentido amplo.

Sobre a Dedicação. O desejo constante de dedicar e praticar a fé que se renova continuamente nos é orientado por Nidai-Sama: “Surge da gratidão pelas graças recebidas de Deus (…) Através da dedicação, nasce mais sentimento de gratidão que, por sua vez, faz aumentar o desejo de dedicar e assim por diante. Imperceptivelmente, incontáveis graças Divinas cobrem o espírito da pessoa e, finalmente, seu caráter torna-se elevado. (…) Sua fé se solidificou.” Tomando como base o princípio de que quanto mais dedicarmos e cultivarmos as virtudes, mais teremos a deixar como legado para os nossos descendentes, quero que sigamos nossos dias sempre dedicando como verdadeiros instrumentos de Meishu-Sama, como se fôssemos seus braços e pernas neste mundo.

Bem, já disse basicamente o que gostaria de transmitir-lhes, mas, só para complementar: mesmo em se tratando de práticas, temos três níveis principais. O primeiro nível é aquele em que as pessoas “as realizam se alguém as orientar a fazê-lo”. O segundo é o das pessoas que “conseguem praticar sozinhas”. O último nível é quando conseguem “conduzir outras pessoas a praticarem”. O primeiro nível tem como objetivo chegar ao segundo. Este, por sua vez, almeja o terceiro nível. Enfim, espero que cada um de nós esteja sempre pensando no próximo patamar a ser alcançado.

Fukutoku Enman (felicidade, bênçãos e plenitude) – isto começa pelo lar

Em comemoração aos 80 anos de instituição de nossa Igreja, os participantes do culto de hoje, aqui no Solo Sagrado de Atami, receberão uma réplica da caligrafia Fukutoku Enman, escrita por Meishu-Sama. Fukutoku é uma palavra utilizada para designar “toda a felicidade e bênçãos” que nos são concedidas quando praticamos o Bem. Enman significa “plenitude, satisfação”.

Esta caligrafia é uma daquelas que Meishu-Sama escrevia no primeiro dia do ano para oferecer aos fiéis que vinham cumprimentá-lo pelo ano-novo. Cada um deles recebia a caligrafia como se fosse a diretriz de Meishu-Sama sobre o direcionamento das práticas, tarefas e foco na fé para aquele ano. Gostaria que nós aceitássemos a caligrafia de hoje como se o próprio Meishu-Sama estivesse concedendo-a a nós, como uma tarefa, como a missão de concretizar o Fukutoku Enman, primeiramente em si e, depois, expandi-lo no lar e ao nosso redor, fazendo deste momento um recomeço.

A Cerimônia de Inauguração do Memorial Mokiti Okada está prevista para o mês de abril. Meishu-Sama nos orientou que, com o desenvolvimento da construção do Solo Sagrado de Kyoto, a atividade de difusão se expandiria em âmbito mundial. Eu gostaria de, lado a lado com os senhores, continuar me empenhando na construção e na plenitude dos Solos Sagrados, incluindo a Terra Celestial.

Renovando, junto a Deus e a Meishu-Sama, meu compromisso de servir à Obra Divina, gostaria de encerrar minhas palavras, desejando aos senhores um Feliz Ano-Novo.

Muito obrigado!


MENSAGENS GOTAS DE LUZ

MENSAGENS GOTAS DE LUZ 

O Paraíso Terrestre pode ser compreendido o Mundo dos Felizes. Será um mundo de alta civilização,isento de Doença, Pobreza, e Conflito.

A verdadeira Salvaçãoabrange o espírito e o corpo . Numa família, todos devem tornar-se saudáveis, libertar-se da Pobreza e usufruir de alegria plena.

Muitos religiosos afirmam que a Fé que busca obter graças imediatas é de nível inferior. Trata-se de uma concepção ilógica, pois não há quem não aspire a graças imediatas.

Se considerarmos que o Paraíso Terrestre é o Mundo dos Felizes, concluírems que, no lugar onde as pessoas se reúnem e se tornam felizes, está estabelecido o Paraíso Terrestre.

A cultura, que até hoje foi aproveitada pelo mal, sofrerá uma reviravolta, ficando á inteira disposição do Bem. Daí surgirá o tão almejado Paraíso Terrestre.

Materialmente, o mundo se tornou uma civilização magnífica, porém o mais importante, que é a felicidade humana, não foi alcançado.

Se salvarmos um grande número de pessoas e formos úteis a deus, nosssas máculas irão sendo eliminadas,e por fim não mais seremos submetidos a purificações.

O Paraiso Terrestre, a que costumamos nos referir, é em termos mais claros, O Mundo do Belo.

Se chegarmos ao ponto de existirem flores onde quer que haja pessoas, a força para tornar ameno este mundo infernal será bem grande.

Quem não consegue se dominar, apesar de compreender que deve abandonar as práticas viciosas, é um ser destituído de força. Isto é, de verdadeira coragem, o que há de mais precioso no homem.


Fonte: Gotas de Luz (Filosofia de Mokiti Okada)
Mensagens de Sabedoria para o seu dia-a-dia
Igreja Messiânica Mundial do Brasil
(Fundação Mokiti Okada – M.O.A) – São Paulo/SP. – vol.II
2. edição revista – 2008
1.reimpressão/outubro – 2009
2.reimpressão/maio – 2011



Diz um velho ditado: Tolerar o que é fácil está ao alcance de todos, mas a verdadeira tolerância significa tolerar o que é intolerável.

Qualquer coisa que ouvimos deve ser levada em consideração.

È necessário que o homem aprenda a se analisar objetivamente, isto é, crie em si uma segunda pessoa que o veja e critique.

Aquela que, somnado boas ações, vive dias alegres, terá prosperidade ilimitada.

Por toda parte existem homens praticando o mal, mentindo, enganando, buscando atender ás exigências de seu próprio egoísmo. Assim, a felicidade mantêm-se muito distante.

As pessoas que só pensam em si mesmas e semeiam desgraças, estão expostas a perigos.

O estudo para pesquisar a verdade é diferente e muito importante.

Viva com um grande ideal. Todavia, esteja também atento ás pequeninas coisas.

Aqueles que estão muito interessados na aprovação dos outros quase sempre se esquecem de Deus.

Segundo o meu princípio, a solução dos sofrimentos pela Graça Divina não é outra coisa senão a magnifica Arte da Vida, isto porquea Arte, na sua essência,deve satisfazer as condições da Verdade, do Bem e do Belo.


Fonte Gotas de Luz (Filosofia de Mokiti Okada)
Mensagens de Sabedoria para o seu dia-a dia 
Igreja Messiânica Mundial do Brasil
Edição:( Fundação Mokiti Okada – M.O.A)
3.edição/ Março/2002 – São Paulo/SP. – vol. I

MEISHU-SAMA DITAVA COM ALEGRIA

MEISHU-SAMA DITAVA COM ALEGRIA 


Os artigos publicados no Jornal “Eiko” (Glória) e na Revista “Tijô – Tengoku” (Paraíso Terrestre) eram ditados por Meishu-Sama todas as noites, mais ou menos a partir das vinte e quatro horas. Ele o fazia com muita alegria. Em apenas uma hora chegava a ditar com facilidade doze ou treze folhas de papel, de modo que os artigos sempre estavam acumulados.

Um dia, Meishu-Sama chegou a dizer: ”Os artigos estão sobrando demais. Por isso aumentou a circunscrição das páginas do Jornal “Eiko” a fim de que se possa colocar o maior número de palavras. Essa recomendação nos deixou perplexos. Ás vezes ele recebia pedidos de artigos, feitos por Jornais de religiões novas e redações de Revistas, Eram pedidos desagradáveis, porque determinavam o tema e o número de páginas. Apesar disso, ao ser solicitado, Meishu-Sama com muito prazer dizia: “Ah, é? Então “vamos escrever” e imediatamente, começava a ditar, demonstrando muita alegria. 

(Um Servidor) – Pág.(70)



A Expressão mais simples e Clara Possível

O número de textos que Meishu-Sama nos deixou em forma de Ensinamentos é muito elevado. Ele sempre os elaborava por meio de ditados e depois ele mesmo os corrigia e revisava várias vezes, bastante preocupado com o modo de expressão, para que os fiéis pudessem compreender melhor suas palavras. Revisava-os até encontrar a forma mais simples e clara possível. Houve ocasiões em que chegou a modificar a redação do Ensinamento mais de vinte vezes. Além disso, ainda fazia com que eu, que o servia na anotação do ditado, lesse esses textos e desse a minha opinião sobre o seu conteúdo. Perguntava-me: “Será que dá para entender o sentido? Será que, usando essas expressões, os fiéis irão compreender? E você, o que acha? “Ele procurava ouvir a crítica até de pessoas como eu.

Certa vez, quando havia pouco tempo que eu recebera a missão de fazer a leitura de textos durante as entrevistas, li um “Suntetsu” que, embora tivesse conteúdo humorístico, não divertiu muito os fiéis, porque eu ainda não tinha muita prática. Após o término da entrevista, Meishu-Sama mais do que depressa me chamou e disse: “Eu escrevi aquilo pensando em divertir os fiéis; entretanto, por causa da sua má leitura, eles nem sequer riram. É lamentável, mas como você é principiante não tem jeito.

Entretanto, procure melhorar a leitura daqui por diante. Ensinou-me, então a dar várias pausas necessárias e a fazer a entonação dos sons finais. Após vários ensaios com ele, disse-me: “Está bem melhor. Continue assim”. E me ouvia rindo tanto, que chegava a ficar com lágrimas nos olhos.

(Um Servidor) – Pág.(71/72)

Fonte: Fonte: Reminiscências sobre Meishu-Sama
Tradução (Igreja Messiânica Mundial do Brasil) Vol. III
Edição (Fundação Mokiti Okada – M. O. A)
2. Edição: julho/1986 – São Paulo/SP.