sábado, 22 de julho de 2017

SABEDORIA ORIENTAL

Site: www.facebook.com.cacadoresdelendasjapao

BIBLIOTECA OKAZAKI - AICHI/ JAPÃO




















Fotos: Márcio Mancini(Messiânico Brasileiro no Japão)

FAÇA ISSO E VIVERÁS

        

Caminho


Você tem o direito de seguir qualquer caminho em seu roteiro. O arbítrio na escolha representa bênção inalienável para o espírito; todavia, cuide de examinar o caminho para que ele não o conduza á infelicidade e ao desespero.

Caridade é luz no caminho de todas as almas. Caridade muito discutida, auxílio que chega tarde. Você pensava em escrever poemas de engrandecimento á vida, enriquecendo as mentes e os corações com Painéis de Luz e sabedoria. Impedido de fazê-lo por lhe faltarem os requisitos essenciais redija uma carta singela com expressões de amor, a quem se encontra na curva da queda e perdeu a confiança na afeição dos outros. 

Toda vez que a tentação da censura conduzir-te á acusação, coloca-te no lugar do outro. Aprenda a sorrir e confiar. No Programa Espírita a desenvolver em qualquer campo de atividade a que você se ligue, procure conhecer as próprias possibilidades e estude a aplicação dos Conhecimentos Doutrinários. O entusiasmo estimula, mas raramente produz em profundidade.

Procure o companheiro que se afastou de você, enquanto está no caminho com ele. Mantenha como lâmpada acesa, a sua consciência de dever retamente atendido. A vítima expunge a culpa. O perseguidor sobrecarrega-se de culpa.


(Marco Prisco)



Fonte: Ditado pelo Espírito: Marco Prisco
Psicografia do Médium: Divaldo Pereira Franco
Centro Espírita Caminho da Redenção
Rua: Jayme Vieira Lima N. 1 – Pau da Lima – Salvador/BA. – 2. Edição
CEP: 41.235-000
Coordenador dos Textos: Sérgio Lourenço 
Livraria Espírita Alvorada - Editora / 1998

MENSAGENS DE FILOSOFIA/LITERATURA



Porque você se permitiu tornar-se Infeliz?

A vida é feita para ser vivida com coragem para alcançar o máximo de alegria e prazer em todas as coisas. Os limites não são limites quando você não os reconhece. Alimente-se de um desejo ardente de atravessar a ponte sem olhar para trás. Vamos encarar a vida ao máximo.

Selecionamos 30 planos para você:

1. Concentre no hoje. Viva um dia de cada vez.O ontem que se foi deixou lições. O amanhã ainda está por vir, então viva o hoje com determinação.

2. Viva no limite. Abrace novos desafios. Exponha-se a aventuras.

3. Mantenha um registro de suas vitórias, de suas descobertas e reflita sobre elas. Seja uma inspiração para si mesmo.

4. Ame a todos. Não procure uma razão para amar.

5. Ame a si mesmo e respeite qualquer um que tente fazer o mesmo por si mesmo.

6. Aceite todos da maneira que são.

7. Seja gentil e cortês.

8. Apesar das diferenças, abrace os outros. Independentemente das suas crenças, o amor e a unidade podem ser compartilhados.

9. Reconheça a necessidade de respeitar qualquer pessoa, independentemente da sua idade, origem, raça ou condição social.

10. Não inveje ninguém. Uma mente que alimenta a cobiça não é feliz. A vida não pode ser vivida ao máximo quando a mente está ligada à negatividade.

11. Encontre o seu propósito e persiga-o com toda a ânsia, coragem e desejo. Seu propósito é a sua primeira razão para estar vivo e quando é explorado se constitui numa razão a mais para a alegria.

12. Em relação ao trabalho e à vida social, não se prenda apenas ao ato de receber. Devolva carinho e confiança.

13. Seja realista. Reconhecer o que é alcançável, o tempo em que é possível realizar algo e o tempo em que isso é impossível. Perceba seus limites, fraquezas e deficiências.

14. Seja prudente. Compreenda as diferenças entre uma má e uma boa atitude, um estilo de vida ético e a perfeita noção do bem.Seja analítico sobre os direitos e os erros que percebe a sua volta.

15. Mantenha o hábito de pensamento positivo, atitude positiva e expectativas positivas.

16. Esteja no controle de você mesmo e aceite a correção quando necessária. Assuma responsabilidades e nunca deixe de aprender com a sua experiência e a experiência dos outros.

17. Seja rápido em tomar decisões, mas lento em mudá-las.Ouça o seu coração.Ouça as pessoas, mas deixe seu coração decidir. Você precisa confiar em sua confiança e em ninguém mais.

18. Controle suas palavras e mantenha a mente calma. Foco na sua espiritualidade.Medite para rejuvenescer e reabasteça seus pensamentos.

19. Seja livre para vigiar você mesmo.Não permita que seus desejos ou posses o dominem.Viva uma vida acima dos impulsos, e congratule-se com o poder da decisão que liga a sua vida.

20. Sorria sempre.Se não funcionar, ria.Se ainda não puder rir, descubra uma piada. E isso em qualquer hora.

21. Seja flexível em responder às mudanças, seja as vindas de pessoas, de situações econômicas, de clima ou lugares.Aprenda a deixar para trás cada passo dado e apenas adote a lição cotidiana AQUI e AGORA.

22. Liste metas comuns de curto prazo e persiga-as diariamente. Exemplos: conhecer novos amigos, visitar uma praia, ler um novo livro.

23. Perdoe a si mesmo e as pessoas – esta é a única estratégia de vingança proveitosa para você contra o impulso negativo do não perdão.

24. Seja honesto consigo mesmo e com seus amigos.Aprecie o apreciável, mesmo que seja pouco.

25. Aprecie seu ambiente atual como se fosse um altar.

1.Sempre acredite em algo, por exemplo: a sua religião é o único lugar onde a esperança nunca morre.

2.Siga seus sonhos e não desista deles. Faça uma lista de tudo o que você quer fazer, como e quando buscá-los.Não aceite a derrota temporária, porque ela pode vir e você DEVE estar acima dela antes de escalar o topo da montanha. Seja realista sobre a forma como você persegue qualquer objetivo tangível.

3.Seja você, sempre e sem restrição. Somente você merece essa COISA E essa COISA só conhece você. Essa COISA que você chama satisfação e A COISA que produz a realização é cega para qualquer variante de VOCÊ, a menos que esse você seja legítimo. Assim, SE É VOCÊ MESMO você atrairá o melhor para VOCÊ.

4.Não culpe os outros quando você está infeliz. Em vez disso, use esse tempo para refletir.Pergunte a si mesmo “Por que você se permitiu tornar-se infeliz?” Aprenda com o erro e deixe o que aconteceu para trás.

5.Aumente sua inteligência emocional. Aprenda e nunca pare de aprender. Enfrente seus medos de novos conceitos introduzindo-os na sua vida. O novo conhecimento acrescenta ao que você já sabe.

Faça uma escolha agora: Escolha ser feliz ou não ser feliz. Não deixe as circunstâncias externas interferir em sua maneira de pensar. As situações mudam, mas enquanto você permanece parado, seu destino permanece inalterado.


Autor: Joshua Daniel é um escritor motivacional 
Extraído de Pick The Brain – Tradução e Adaptação: Portal Raízes
Os Direitos Autorais no Brasil são regulamentados pela Lei 9.610 . A violação destes direitos está prevista no artigo 184 do Código Penal. Este artigo pode ser publicado em outros sites, sem prévia autorização, desde que citando o autor e a fonte.






Esperança 


Mario Quintana, poeta gaúcho, era chamado de “poeta da esperança”, sobre ela chegou a dizer em entrevista: “O ditado diz que, enquanto há vida, há esperança. Eu digo que enquanto há esperança há vida. Porque nunca foi encontrado em nenhuma parte do mundo, num bolso de um suicida, um bilhete de loteria que fosse correr no dia seguinte”. 

O seu tratamento poético da esperança não é ingênuo nem se confunde com o otimismo tolo. A propósito da diferença entre esperança e otimismo, vale a pena observar o que disse o escritor e psicanalista mineiro, radicado em Campinas, Rubem Alves: 

“Esperança é o oposto de otimismo. Otimismo é quando, sendo primavera do lado de fora, nasce a primavera do lado de dentro. Esperança é quando, sendo seca absoluta do lado de fora,continuam as fontes a borbulhar dentro do coração. A esperança se alimenta de pequenas coisas. Basta-lhe um morango à beira do abismo”. 

O poeta inglês Samuel Johnson observou que os saltos do ser humano não são, como se poderia esperar, de prazer em prazer, mas de esperança em esperança. Por conta disso, talvez não seja exagero dizer que o homem é o único animal que tem esperança e que, por isso, é o único para o qual o futuro, e nele o ano novo, faz sentido. 

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano 

Vive uma louca chamada Esperança 

E ela pensa que quando todas as sirenas 

Todas as buzinas 

Todos os reco-recos tocarem 

Atira-se 


— ó delicioso voo! 

Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada, 

Outra vez criança… 

E em torno dela indagará o povo: 

— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes? 

E ela lhes dirá 

(É preciso dizer-lhes tudo de novo!) 

Ela lhes dirá bem devagarzinho, para que não esqueçam: 

— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA… 


Texto extraído do livro “Nova Antologia Poética”, Editora Globo – São Paulo, 1998, pág. 118. 

Autor: Mário Quintana




TEXTOS MOTIVACIONAIS



Consertando o Homem


Um cientista vivia preocupado com os problemas do mundo e estava resolvido a encontrar meios de minorá-los. Passava dias em seu laboratório em busca de respostas para suas dúvidas.

Certo dia, seu filho de sete anos invadiu o seu santuário decidido a ajudá-lo a trabalhar. O cientista nervoso pela interrupção tentou que o filho fosse brincar em outro lugar. Vendo que seria impossível demovê-lo, o pai procurou algo que pudesse ser oferecido ao filho com o objetivo de distrair sua atenção.

De repente deparou-se com o mapa do mundo, o que procurava! Com o auxílio de uma tesoura, recortou o mapa em vários pedaços e, junto com um rolo de fita adesiva, entregou ao filho dizendo:

– Você gosta de quebra-cabeças? Então vou lhe dar o mundo para consertar. Aqui está o mundo todo quebrado. Veja se consegue consertá-lo bem direitinho! Faça tudo sozinho.

Calculou que a criança levaria dias para recompor o mapa.

Alguma hora, depois, ouviu a voz do filho que o chamava calmamente.

– Pai, pai, já fez tudo. Consegui terminar todinho!

A princípio o pai não deu crédito às palavras do filho. Seria impossível na sua idade ter conseguido recompor um mapa que jamais havia visto. Relutante, o cientista levantou os olhos de suas anotações, certo de que veria um trabalho digno de uma criança. Para sua surpresa, o mapa estava completo. Todos os pedaços haviam sido colocados nos devidos lugares. Como seria possível? Como o menino havia sido capaz?

– Você não sabia como era o mundo, meu filho, como conseguiu?

– Pai, eu não sabia como era o mundo, mas quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que do outro lado havia a figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei, mas não consegui. Foi aí que me lembrei do homem, virei os recortes e comecei a consertar o homem que eu sabia como era. Quando consegui consertar o homem, virei a folha e vi que havia consertado o mundo.

Site: sucesso. powerminas.com/texto-motivacional-projetos-da-vida/








Dicas como trabalhar em Equipe 


Tenha Paciência 

No trabalho em equipe não é fácil conciliar opiniões diferentes, cada pessoa pode ter um pensamento diferente sobre o mesmo assunto. Por isso a importância de ser paciente. Exponha os seus pontos de vista com moderação e procure sempre ouvir o que as pessoas têm a dizer. Respeite sempre os seus colegas, mesmo que não esteja de acordo com os seus pensamentos ou idéias. 

2. Aceite as Idéias 

As vezes é difícil aceitar idéias de outras pessoas, parece que é o mesmo que dizer que estamos errados; mas precisamos reconhecer que a idéia de um colega pode ser melhor do que a nossa. Mais importante do que o nosso orgulho, é o objetivo comum que a equipe pretende alcançar. 

3. Nada de Criticar os seus Colegas 

De vez em quando podem surgir conflitos entre os colegas de equipe. É muito importante não deixar que isso interfira no trabalho em equipe. Avalie as idéias do colega, independentemente daquilo que achar dele. Critique sempre as idéias, nunca a pessoa. 

4. Aprenda a Dividir 

No trabalho em equipe, é sempre importante dividir as tarefas. Não parta do princípio que é o único que pode e sabe realizar uma determinada tarefa. Compartilhar responsabilidades e informação é fundamental. 

5. Trabalhe Bastante 

Não é só porque esta trabalhando em equipe que deve esquecer suas obrigações. Dividir as tarefas é uma coisa, deixar de trabalhar e fazer corpo mole é outra completamente diferente. 

6. Seja Solidário e Participativo 

Procure sempre dar o seu melhor e ajudar seus colegas, sempre que seja necessário. Da mesma maneira, não deverá sentir-se constrangido quando necessitar pedir ajuda. 

7. Converse 

Se estiver desconfortável com alguma situação ou função que lhe tenha sido atribuída, explique o problema, para que seja possível alcançar uma solução de compromisso, que agrade a todos. 

8. Planeje-se 

Quando várias pessoas trabalham em equipe, é sempre natural que surja uma tendência para se dispersarem; o planejamento e a organização são ferramentas importantes para que o trabalho em equipe seja eficiente e eficaz. É importante fazer o balanço entre as metas a que o grupo se propôs e o que conseguiu alcançar no tempo previsto. 

9. Não caia no “Pensamento de Grupo” 

Quando todos os obstáculos já foram ultrapassados, e uma equipe é muito coesa e homogênea, existe a possibilidade de se tornar resistente a mudanças e a opiniões discordantes. É importante que o grupo ouça opiniões externas e que aceite a idéia de que pode errar. 

10. Aproveite o Trabalho em Equipe 

Afinal o trabalho de equipe, acaba por ser uma oportunidade de conviver mais perto de seus colegas, e também de aprender com eles. 

Fonte: sucesso. powerminas.com/texto-motivacional-projetos-da-vida/ 
08/05/2010 




MENSAGENS DE APRIMORAMENTO



Sou como a Água 

Sou como a água. Nenhuma barreira poderá represar-me e impedir que me torne um oceano.Se barrarem minha passagem colocando grandes pedras no meu leito converter-me-ei em torrente, em cachoeira, e saltarei impetuoso(a). Se me fecharem todas as saídas, eu me infiltrarei no subsolo. Permanecerei oculto(a) por algum tempo mas não tardarei a reaparecer. Em breve estarei jorrando através de fontes cristalinas para saciar a sede dos transeuntes. 

Se me impedirem também de penetrar no subsolo, eu me transformarei em vapor,formarei nuvens e cobrirei o céu. E, chegando a hora, atrairei furacão, provocarei relâmpagos, desabarei torrencialmente, inundarei e romperei quaisquer diques e serei finalmente um grande oceano.



Autor: Massaharu Taniguchi





Seguindo á Frente 


"Assim que se alguém está em Cristo 

nova criatura é... – PAULO. 

(II Corintios, 5:17.) 

Dificuldades, fracassos, conflitos e frustrações... Possivelmente, faceaste tudo isso, restando-te unicamente largo rescaldo de pessimismo. Apesar de tudo, a vida te busca a novas empresas de trabalho e renovação. O sol brilha, o mar de oxigênio te refaz energias, o progresso trabalha, o chão produz e parece que a noite se te abriga no ser. Ergue-te em espírito e empreende a jornada nova. Uma estrada se continua em outra estrada, uma fonte associa-se à outra. Tens contigo a riqueza do tempo a esperar-te na aplicação dela própria, afim de que a felicidade te favoreça. Varre os escaninhos da alma, expurgando-te de lembranças amargas, e deixa que a luz do presente consiga alcançar-te por dentro das próprias forças. 

Renova-te e segue adiante, trabalhando e servindo. E à medida que avances, caminho a fora, entre a bênção de compreender e o contentamento de ser útil, perceberás que todos os obstáculos e sombras de ontem se fizeram lições e experiências, enriquecendo-te o coração de segurança e alegria, para que siga em paz, no rumo de conquistas imperecíveis, ante o novo amanhecer. 


Autor: Emmanuel 
Livro: Ceifa de Luz – Francisco Cândido Xavier




HOMENS MACACOS


Homens - Macacos – O Que Eram?


Por muitos anos se tem tido notícias da descoberta de restos fósseis de humanos simiescos. A Literatura Científica está repleta de concepções artísticas de tais criaturas. São elas as transições evolucionárias entre o animal e o homem? Eram “homens – macacos” os nossos ancestrais? Os cientistas evolucionistas afirmam que eram. É por isso que amiúde lemos expressões tais como o seguinte título de artigo de uma revista científica: “Como o Macaco tornou-se Homem”.

Na verdade, alguns evolucionistas não acham que tais ancestrais teóricos do homem devessem ser corretamente chamados de “macacos”. Mesmo assim, alguns dos colegas deles não são tão exigentes. Afirma Stephen Jay Gould: “As pessoas evoluíram de ancestrais simiescos”. E George Gaylord Simpson declarou: “O ancestral comum certamente seria chamado de símio ou de macaco, na linguagem popular, por qualquer um que o visse. Visto que os termos símios e macaco são definidos pelo emprego popular, os ancestrais do homem eram símios ou macacos”.

Por que os fósseis são tão importantes no esforço de documentar a existência de ancestrais simiescos da humanidade? Porque o atual mundo vivo nada possui que apóie tal idéia. Existe enorme abismo entre os humanos e quaisquer animais hoje existentes, incluindo os da Família dos símios. Assim, uma vez que o mundo vivo não fornece qualquer elo entre o homem e o macaco, esperava-se que os fósseis fornecessem. Do ponto de vista da evolução, o óbvio abismo entre o homem e o macaco atualmente é algo estranho. A teoria da evolução sustenta que á medida que os animais progrediram na escola evolucionária, tornaram-se mais aptos a sobreviver. 

Por que, então, a Família “inferior” dos símios ainda existe mais não há nenhuma das supostas formas intermediárias, que presumivelmente, eram mais evoluídas? Hoje em dia, vemos chimpanzés, gorilas e orangotangos, mas nenhum “homem-macaco”. Parece provável que cada um dos mais recentes e supostamente, mais avançados “elos” entre as criaturas simiescas e o homem moderno se tornasse extinto, mas não os símios inferiores? 



Quanta Evidência Fóssil? 



Pelos relatos da Literatura Científica, em mostruários de museus e na televisão, ter-se-ia a impressão de que certamente havia abundante evidência de que os humanos evoluíram de criaturas simiescas. Dá-se realmente isto? Por exemplo, que evidência fóssil havia disso nos dias de Darwin? Foi tal evidência que o incentivou a formular sua teoria? A publicação The Bulletin of the Atomic Scientists (Boletim dos Cientistas Atômicos) nos informa: “As teorias primitivas da evolução humana são realmente muito esquisitas, se a pessoa parar para examiná-las. David Pilbeam descreveu as teorias primitivas como isentos de fósseis”. Isto é, eis aqui teorias a respeito da evolução humana que a gente julgaria exigirem alguma evidência fóssil, mas, com efeito, havia tão poucos fósseis que eles não exerceram influência alguma sobre a teoria, ou não havia quaisquer fósseis. “Assim, entre os presumíveis parentes mais próximos do homem e os primitivos fósseis humanos, só havia a imaginação de cientistas do século dezenove”. 

Esta publicação científica mostra por que: “As pessoas queriam crer na evolução, na evolução humana, e isto influiu nos resultados de seu trabalho”. Depois de mais de um século de pesquisas, quanta evidência fóssil existe de “homens-macacos”? Declarou Richard Leakey: “Os que trabalham nesse campo dispõem de tão pouca evidência em que basear suas conclusões que é necessário que mudem freqüentemente suas conclusões que é necessário que mudem frequentemente suas conclusões”. A Revista New Scientist (Novo Cientista) comentou: “A julgar pela quantidade de evidência sobre o qual se baseia, o estudo do homem-fóssil dificilmente merece ser mais do que uma sub disciplina da palcontológia ou da antropologia a coleção é muito tantalizadoramente incompleta, e os próprios espécimes amiúde são muito fragmentares e inconclusivos”. 

Similarmente, admite o Livro Origins(Origens): “Ao avançarmos mais na vereda da evolução em direção aos humanos, a caminhada parece distintamente incerta, mais uma vez devido á escassez de evidência fóssil”. Acrescenta a revista Science(Ciência): “A evidência científica primária é um acervo lastimavelmente ínfimo de ossos, á base do qual se deve compor a história evolutiva do homem. Um antropólogo comparou a tarefa com a reconstituição do enredo do Guerra e Paz a partir de 13 páginas selecionadas ao acaso”. 

Exatamente quão esparsos são os fósseis de “homens-macacos”? Observe o seguinte. “Revista News – Week: “Poderia colocar todos os fósseis no topo de uma única mesa”, disse Elwyn Simons, da Universidade Duke”. Jornal The New York Times”. “Os restos fósseis conhecidos dos ancestrais do homem caberiam numa mesa de bilhar. Isso “resulta num mirante deficiente do qual perscrutar o nevoeiro dos últimos poucos milhões e anos”. Revista Science Digest (Sumário de Ciência). “O fato notável é que toda a evidência física que temos a favor da evolução humana ainda pode ser colocada, com espaço de sobra dentro de um único caixão! Os símios modernos, por exemplo, parecem ter surgido do nada. Não dispõem de passado, de nenhum fóssil. E a verdadeira origem dos humanos modernos de seres eretos, nus, fabricante de ferramentas, de cérebro grande é se havemos de ser honesto com nós mesmos, um assunto igualmente misterioso. 

Os humanos de tipo moderno, com capacidade de raciocínio, de planejar, de inventar, de edificar á base de conhecimento prévio, e de utilizar línguas complexas, surgem subitamente nos fósseis. Gould, em seu Livro The Mismeasure of man(A Dimensão Errônea do Homem), observa: “Não dispomos de evidência alguma de alteração biológica no tamanho ou na estrutura do cérebro desde que surgiu o Homo sapiens nos fósseis, cerca de cinqüenta mil anos atrás”. “Assim, o Livro The Universe Within (OUniverso Interno) Indaga: “O que moveu a evolução a produzir, como quer da noite para o dia, a moderna humanidade com seu cérebro altamente especializado?”A evolução é incapaz de responder. Mas, poderia a resposta estar na criação de uma criatura muito complexa e diferente?




Onde estão os Elos? 




No entanto, não encontraram os cientistas os necessários “Elos” entre os animais simiescos e o homem? Não, segundo a evidência. Science Digest menciona “a ausência de um elo que falta para explicar o aparecimento relativamente súbito do homem moderno”. Newsweek observou: “O elo que falta entre o homem e os símios é simplesmente a mais glamorosa de toda uma hierarquia de criaturas fantasmagóricas. 

Nos “fósseis os elos que faltam são a regra”. Visto não haver elos, “criaturas fantasmagóricas. Tem de ser inventadas á base de mínima evidência e ser divulgadas como se realmente tivessem existido. Isso explica porque poderia ocorrer a seguinte contradição, conforme veiculada por uma revista científica: “Os humanos evoluíram em passos graduais de seus ancestrais simiescos e não, como alguns cientistas contendem, em saltos súbitos de uma forma para outra. Mas outros antropólogos, manipulando quase os mesmos dados alegradamente chegaram á conclusão exatamente oposta. 

Assim, podemos entender melhor a observação do respeitado Anatomista Soely Zuckermon, que escreveu no Journd of the Roal College os Surgeons of Edin Burgh (Revista do Real Colégio de Cirurgiões de Edim burgo) A busca do proverbial elo que falta na evolução do homem o santo gral de uma seita nunca moribunda de anatomistas e biológos, dá margem á especulação e ao florescimento de mitos tão facilmente hoje, ou até mais do que há 50 anos”. Observou que, com demasiada freqüência, os fatos foram ignorados, e em vez disso, aclamava-se o que era popularesco na época, apesar da evidência em contrário.




A Árvore Genealógica do Homem 




Em resultado disso, sofre constantes alterações a “árvore genealógica amiúde esquematizada da suposta evolução do homem a partir de animais inferiores. Para exemplificar, Richard Leakey declarou que uma descoberta mais recente de um fóssil “põe por terra a noção de que todos os fósseis primitivos podem ser dispostos numa seqüência ordeira das mudanças evolucionárias”. 

E dizia certo informe de jornal a respeito dessa descoberta: “Jogue-se no lixo todo o livro de antropologia, todo o artigo sobre a evolução do homem, toda a gravura da árvore genealógica do homem. Estão, pelo visto errados”. A teórica árvore genealógica da evolução humana está repleta de refugos de “elos” previamente aceitos. Um editorial de The New York Times observou que a ciência evolucionista “dá tanta margem a conjecturas que as teorias de como o homem vieram a existir tendem a contar mais sobre seu autor do que sobre seu assunto. 

“O descobridor de novo crânio amiúde parece redesenhar a árvore genealógica do homeme, colocando sua descoberta no tronco central que leva ao homem, e os crânios de todo o mundo mais nas linhas laterais, que não conduzem a parte alguma”. Numa crítica literária sobre The Mythos of Human Evolution (Os Mitos da Evolução Humana),escrito pelos evolucionistas Niles Elaredge e Ian Tattersall, a Revista Discover(Descobrir) observou que os autores eliminaram qualquer árvore genealógica evolucionista. 

Por quê? Depois de frisar que “os elos que constituem os ancestrais da espécie humana só podem ser adivinhados”, esta publicação declarava: “Eldredge e Tattersall insistem que o homem procura em vão seus ancestrais. Se houvesse evidência, contendem, “poder-se-ia confiantemente esperar que, á medida que se encontrassem fósseis mais hominídeos, a estória da evolução humana se torna se mais clara. “Ao passo que , se algo ocorreu, foi justamente o contrário”. 

Concluiu Discover: “A espécie humana, e todas as espécies, continuarão sendo uma espécie de órfãos, ficando perdida no passado a identidade de seus genitores”. Talvez “perdida” do ponto de vista da teoria evolucionista. Mas, será que a alternativa de Gênesis não “encontrou” nossos pais, da forma como realmente eles se acham nos fósseis plenamente humanos, como nós somos? Os fósseis revelam uma origem distinta e separada para os símios e para os humanos. É por isso que inexiste evidência fóssil do elo do homem com animais simiescos. Os elos realmente jamais existiram. 





Qual era a Aparência Deles? 







Entretanto, se os ancestrais do homem não eram simiescos, porque tantas gravuras e réplicas de “homens-macacos” inendam as publicações científicas e os museus por todo o mundo? Em que se baseiam? O Livro the Biology of Race(A Biologia das Raças) responde: “A carne e os cabeos em tais reconstituições tem de ser supridos por se recorrer á imaginação”. Adiciona: “A cor da pele; a cor, a forma e a distribuição dos cabelos; a forma das feições; o aspecto do rosto não sabe absolutamente nada sobre todos estes caracteres de quaisquer homens pré – históricos”. 

Science Digest também comentou: “A ampla maioria das concepções artísticas baseia-se mais na imagem certo do que na evidência. Os artistas precisam criar algo entre o símio e o ser humano; quanto mais antigo se diz que é o espécime, tanto mais simiesco o tornam”. “O caçador de fósseis, Donald Jahanson admitiu: Ninguém pode estar seguro de qual era exatamente a aparência de qualquer hominídeo extinto”. “Deveras, New Scientist noticiou que não existe suficiente evidência nos materiasis fósseis para retirar nossa teorização dos domínios da fantasia”. 

Assim, as gravuras de “homens- macacos” são como admitiu certo evolucionista, pura ficção, na maioria dos sentidos simples invenção. Assim, mo Livro Man, God and Magic (O Homem, Deus e a Mágica), Ivar Lissner comentou: “Assim como aprende-mos aos poucos que os homens primitivos não eram necessariamente selvagens, assim também temos se aprender a reconhecer que os homens primitivos da Era glacial não eram nem animais brutos, nem metade macacos, nem cretinos. Daí a indescritível estupidez de todas as tentativas de se reconstituir o homem de Neanderthal, ou mesmo o de Pequim. 

Em seu desejo de encontrar evidência dos “homens-macacos”, alguns cientistas se deixaram levar pela crassa fraude, por exemplo, do homem de Piltdown, em 1912. Por cerca de 40 anos, foi aceito como genuíno pela maior parte da comunidade evolucionista. Por fim, em 1953, a farsa foi descoberta, quando técnicos modernos revelaram que ossos humanos e ossos simiescos tinham sido ajuntados e artificialmente envelhecidos. Em outro caso, desenhou-se um “elo que faltava” simiesco, que foi divulgado na imprensa. Mas, reconheceu-se posteriormente que a “evidência” consistia em apenas um dente pertencente a uma forma extinta de porco. 



Quem eram Eles? 




Se “as reconstituições de ‘homens-macacos” não são válidas, então o que eram aquelas criaturas antigas cujos ossos fósseis foram encontrados? Um destes primitivos mamíferos, que se pretende constar da linhagem do homem, é um pequeno animal do tipo roedor que se diz ter vivido há cerca de 70 milhões de anos. 

Em seu Livro Lucy: The Beginnings of Human kind (Lucy: Os Primórdios da Humanidade), Donald Johanson e Maitland Edey escreveram: “Eram quadrúpedes insetivores, quase do tamanho e do formato dos esquilos”. Richard Leakey chamou tal mamíferos de “primata ratiforme”. Mas, existe qualquer evidência sólida de que tais animaizinhos fossem os ancestrais dos humanos? Não, antes, apenas especulações desiderativas. Nenhum estágio transacional jamais os vinculou com qualquer coisa, exceto com o que eram: mamíferos pequenos, semelhantes a roedores. 

Em seguida na lista, que goza de aceitação geral, com admitida lacuna de cerca de 40 milhões de anos, acham-se os fósseis encontrados no Egito, e chamados Aegyptopitocus- símio egípcio. Diz-se que esta criatura vivia há cerca de 30 milhões de anos. “Revistas, Jornais e Livros apresentaram gravuras desta criaturinha com legendas tais como: ““ Criatura Simiesca foi nosso ancestral”. (Revista “Time) Primata Africano Simiesco é chamado de Ancestral comum do Homem e dos Símios”. (The “New York Times) “Aegyptopithecus” é um ancestrak que partilhamos com os símios vivos”. (Livro origens (Origens) ) Mas, onde estão os elos entre este e o roedor antes dele? Onde estão os elos que o liguem ao que é colocado depois dele no alinhamento evolutivo? Não se encontrou nenhum.




Ascensão e Queda dos Homens-Macacos 





Em seguida a outra admitidamente grande lacuna nos fósseis, apresentou-se outra criatura fóssil como o primeiro símio humanóide. Dizia-se que vivera há cerca de 14 milhões de anos e era chamado de Ramapithecus símio de Rama (Rama era um príncipe mítico da Índia). Fósseis dele foram encontrados na Índia há cerca de meio século. Á base destes fósseis montou-se uma criatura simiesca, ereta, sobre dois membros. 

A respeito dela, origens declararam: “Tanto quanto uma pessoa possa afirmar no momento, é o primeiro representante da família humana”. Qual era a evidência fóssil para tal conclusão? Observava a mesma publicacão: “A evidência a respeito do Ramapithecus é considerável embora, em termos absolutos, continue tantalizadoramente pequena: fragmentos das mansíbulas superior e inferior, além de um grupo de dentes”. Julga ser isto “evidência” bastante “considerável” para a reconstituição de um ancesral “homem-macaco” ereto dos humanos? Todavia, está criatura quase que totalmente hipotética foi desenhada por ilustradores como “homem-macacos”, e gravuras dela inundaram as publicações evolucionistas tudo ábase de fragmentos de mandíbulas e alguns destes! “Mesmo “assim, conforme veículado pelo The New York Times, durante décadas o Ramapithecus” fixou-se tão seguramente quanto qualquer outra coisa á base da árvore evolucionária humana”. 

Não obstante, isso não mais acontece. As descobertas mais recentes e mais completas de fósseis revelaram que o Ramapithecus assemelhava-se de perto com a família atual dos símios. Assim, a Revista New Scientist declara agora: “O Ramapithecus não pode ter sido o primeiro membro da linhagem humana”. Estas informações novas provocaram a seguinte pergunta incluída na revista Natural (History Natural) “Como foi que o Ramapithecus reconstituído apenas á base de dentes e mandíbulas sem pílvis, ossos dos membros, ou crânio conhecidos penetrou furtivamente neste desfile em marcha para se tornar homem?” Obviamente, grande dose de pensamento desiderativo deve ter feito parte deste esforço de fazer com que a evidência afirme aquilo que ela não diz. 

Outra lacuna de amplas proporções paira entre tal criatura e a seguinte, alistada como ancestral “homem-macaco”. Esta é chamada Australopithecus-símio do Sul. Fósseis dele foram encontrados no sul da África na década de 20. Possuía pequena caixa craniana simíesca, pesada mandíbula e foi representado como andando sobre dois membros, encurvado, peludo e de aparência simiesca. Afirmar-se ter começado a viver há cerca de tr~es ou quatro milhões de anos. Com o tempo, veio a ser aceito por quase todos os evolucionistas como ancestral do homem. 

Por exemplo, o Livro The Social Contract(O Contrato Social), comentou: “Salvo uma ou duas exceções, todos os pesquisadores competentes neste campo concordam agora que os australopitecos são reais ancestrais humanos”. Declarou The New York Times: “Foi o Australopithecus que por fim evoluir no Homosapiens, ou homem moderno”. E no Livro Mon, Time, and Fossils(O Homem, o Tempo e os Fósseis), Ruth Moore disse: “Segundo toda a evidência,os homens por fim encontraram seus ancestrais primitivos,há muito desconhecidos”. Enfaticamente, ela declarou: “A evidência era sobrepujante o elo que faltava tinha finalmente sido descoberto”. Mas, quando é realmente tênue ou inexistente a evidência a favor de algo ou ela se baseia em patente logro tal pretensão, mais cedo ou mais tarde, reduz-se a nada. Isto tem acontecido com muitos exemplos passados de supostos “homens-macacos”. 

O mesmo, também, se deu como Australopithecus. Maior pesquisa revelou que seu crânio “diferia dos humanos em muito mais formas do que sua diminuta capacidade cerebral”. Escreveu o anatomista Zuckerman; “Quando comparado com os crânios humanos e simiescos, o crânio do Australopithecus têm aparência sobrepujante mente simiesca e não humana. A proposição contrária poderia ser igualada á asserção de posição contrária poderia ser igualada á asserção de que o preto é branco”. 

Disee também: “Nossas descobertas deixam pouca dúvida de que o Australopithecus se assemelha, não ao Homo sapiens, mas a macacos e simios vivos”. Donald Jahanson também disse: “Os australopitecos não eram homens”. Similarmente, Richard Leakey considerou “improvável que nossos ancestrais diretos sejam descendentes evolucionários dos australopitecos”. Caso fossem encontrados hoje quaisquer australopitecos vivos, eles seriam colocados em zoológicos, juntos com outros símios. 

Ninguém os chamaria de “homens-macacos”. O mesmo se dá com outros “primos” fósseis que se assemelham a ele, tais como o tipo menos de australopiteco chamado “Lucy”. “A respeito dele, Robert Jastrow afirma; Este cérebro não era grande em tamanho absoluto, tinha o terço do tamanho de um cérebro humano”. Obviamente, também era simplesmente um “símio”. Com efeito, New Scientist disse que “Lucy” tinha um crânio “bem parecido com o de um chimpanzé”. Outro tipo fóssil é chamado de Homo-Erectus (Homem Ereto). O tamanho e o formato de seu cérebro enquadram-se realmente no âmbito menor do homem moderno. Também, a Encyclopedia Britannica comentou que “os ossos dos membros descobertos até agora não podem ser distinguidos dos do (Homo) sapiens”. Não obstante, não é claro se era ou não humano. Caso fosse, então era simples ramo da família humana, e desapareceu.


A Família Humana 




O Homem de Neanderthal (assim chamado por causa do distrito de Neander,na Alemanha, onde foi descoberto seu primeiro fóssil) era indubitavelmente humano. De início, foi representado como encurvado, de aspecto atoleimado, peludo e simiesco. Agora se sabe que esta reconstituição errônea se baseava num esqueleto fóssil terrivelmente deformado pela doença. Desde então, encontraram-se muitos fósseis neandertalenses, confirmando que não diferia muito dos humanos modernos. Em seu livro Ice(Gelo) declarou Fred Hoyle: “Não existe evidência de que o homem de Neanderthal fosse, em qualquer sentido, inferior a nós mesmos”. Como resultado, recentes gravuras dos neandertalenses têm assumido um aspecto mais moderno. 

Outro tipo fóssil freqüentemente encontrado na literatura cientifica é o homem de Cro-Magnon. Foi assim denominado em honra ao local, no sul da França, onde foram encontrados através de escavação os ossos dele. Estes espécimes “eram tão virtualmente indistinguíveis dos da atualidade que até os mais cépticos tiveram de admitir que fossem humanos”, dizia o Livro Lucy. 

Assim, é clara a evidência de que é infundada a crença em “homens-macacos”. Antes, os humanos possuem todos os sinais de terem sido criados de forma separada e distinta de qualquer animal. Os humanos só se reproduzem segundo sua espécie. Fazem-no hoje, e sempre o fizeram no passado. Quaisquer criaturas, simiescas que viveram no passado eram exatamente isso símios, ou macacos e não humanos. E os fósseis de antigos humanos que diferem ligeiramente dos humanos da atualidade simplesmente demonstram a variedade que existe na família Humana assim, como, atualmente, dispomos de muitas variedades que vivem lado a lado. Há humano de uns 2,10 metros de altura e há pigmeus, com variados tamanhos e formatos de esqueletos. Mas, todos pertencem á mesma “espécie” humana, e não a uma espécie animal.



Que dizer das Datas?

A cronologia bíblica indica que se passou um período de cerca de 6.000 anos desde a criação dos humanos
. Porque, então a pessoa com freqüência lê a respeito de períodos muito mais extensos desde que surgiram tipos de fósseis reconhecidos como humanos? Antes de concluir que a cronologia bíblica deve estar errada, considere que alguns cientistas criticam acerbamente os métodos de datação radioativa. Certa revista cientifica fez um relato sobre estudos que mostravam que “as datas determinadas pela decomposição radiativa podem estar equivocadas não apenas em questão de anos, mas em ordens de magnitude”.

Dizia: “O homem, em vez de estar andando pela terra já por 3,6milhões de anos, talvez esteja por aqui por apenas alguns milhares de anos”. Por exemplo, tomemos o “relógio “radio carbônico. Os cientistas desenvolveram este método de datação pelo radio carbono, em todo o mundo, por um período de duas décadas. Foi amplamente aclamado pela datação exata de artefatos da história antiga do homem. Daí, porém, realizou-se em Upsala, na Suécia, uma conferência que reuniu os peritos mundiais, incluindo radio químicos, arqueólogos e geólogos, a fim de trocar idéias. O relatório de sua conferência mostrava que as suposições fundamentais em que se baseavam as medições provaram-se indignas de confiança, em grau maior e menor.

A título de exemplo, verificou-se que a taxa de formação do carbono radioativo na atmosfera não se mantivera estável no passado, e que este método não merece confiança na datação de objetos de cerca de 2000 AEC, ou antes. Tenha presente que a evidência realmente fidedigna da atividade do homem na terra é suprida, não em milhões de anos, mas em milhares. Por exemplo, no Livro The fate of the Earth (O destino da Terra), lemos: “Há apenas seis ou sete milhares de anos emergiu a civilização, habilitando-nos a construir um mundo humano.”

A obra the Last Two Million Years(Os Últimos Dois Milhões de Anos) declara: “No Velho Mundo, a maioria dos passos críticos da revolução agrícola foram dados entre 10000 e 5000Ac”. Também afirma: “É somente para os últimos 5.000anos que o homem moderno apareceu subitamente na terra, e que fidedignos registros históricos são, admitidamente, recentes, harmoniza-se com a cronologia da bíblia sobre a vida humana na terra. Neste sentido, observe o que o físico nuclear W.F. Libby, Prêmio Nobel, um dos pioneiros da datação radio carbônica, declarou na Revista Science (Ciência) “A pesquisa no desenvolvimento da técnica de datação consistiu em dois estágios a datação de amostras, respectivamente das épocas histórica e pré-histórica. Eu e Arnold (um colaborador) tivemos o nosso primeiro choque quando nossos consultores nos informaram que a História remontava apenas a uns 5.000 anos.

Lêem-se declarações no sentido de que tal e tal sociedade ou sitio arqueológico tem 20.000 anos. Aprendemos “um tanto abruptamente que estes números estas idades antigas, não são conhecidos com exatidão”. Ao fazer a crítica de um livro sobre evolução, o autor inglês Malcolm Muggeridge comentou a falta de evidência a favor da evolução. Observou que, “assim mesmo floresciam loucas especulações, daí disse:” O relato de Gêneses parece, por comparação bastante sóbria e, pelo menos possui o mérito de estar validamente relacionado com o que conhecemos sobre os seres humanos e seu comportamento”. 

Disse que as afirmações infundadas de milhões de anos de evolução humana e os desvairados saltos de crânio em crânio não podem deixar de impressionar todo aquele que não se vê enredado pelo mito (evolucionista) como pura fantasia. Concluiu Muggeridge: “A posteridade sem dúvida ficará pasma e espero que ache muita graça nisso de ver como tal teorização desmazelada e nada convincente conseguiu dominar com tanta facilidade as mentes do século 20 e ser tão ampla e irresponsavelmente aplicada. 

Fonte: Livro: A Vida – Qual a sua Origem? A Evolução ou a Criação? 



(Publicado em Inglês e em Português em 1985 pela Watchtower Bible and tract society of New York, Inc Rodovia/SP – 141 – Km: 43,18280 – Cesário Lange,SP/Brasil).